Valmir Denardin
De Foz do Iguaçu
O diretor do Parque Nacional do Iguaçu, Júlio Gonchorosky, criticou duramente ontem a proposta de desmembramento da área e do prédio ocupados pelo Hotel das Cataratas do restante da reserva. Conforme a Folha revelou com exclusividade, em reportagem publicada na edição de sábado, a Secretaria de Patrimônio da União (SPU) estuda um eventual desmembramento e já pediu um parecer do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), órgão que administra o parque.
‘‘Essa proposta é uma barbaridade’’, resumiu Gonchorosky em entrevista à Folha, ontem, durante as solenidades de comemoração dos 61 anos de criação do parque (leia reportagem nesta página). ‘‘Num momento em que todo mundo está brigando para se manter os limites atuais e agrupar mais território (nas unidades de conservação), é apresentada uma proposta dessas’’, completou, indignado.
Na opinião do diretor do parque, a proposta em estudo atenderia ‘‘interesses econômicos’’. Políticos e técnicos avaliam que, ao propor o desmembramento, a SPU pretende livrar o prédio hoje ocupado pelo hotel – inaugurado em 1957 e pertencente à União – de futuras licitações.
Desde a inauguração, o prédio é ocupado por um hotel cinco estrelas da Rede Tropical, do Grupo Varig, por meio de contratos, renovados a cada dez anos. O documento hoje em vigor expira em 2004. Em entrevista à Folha, o diretor comercial da Rede Tropical, Antonio Latorre, negou que a empresa tenha feito lobby para o desmembramento. Atualmente, o grupo paga ao governo federal um aluguel de R$ 23,5 mil fixos e 10% sobre seu lucro – o que, em dezembro, rendeu cerca de R$ 70 mil.
Se a mudança for concretizada, a SPU poderá vender o imóvel, além de ocupá-lo ignorando a Lei de Licitações, cujo respeito é obrigatório em concessões de imóveis da União para a exploração privada. A proposta de desmembramento foi feita pela diretora de Patrimônio da União, Maria José Vilalva Barros Leite.
Em ofício datado de 29 de outubro do ano passado e enviado à presidente do Ibama, Marília Marreco Cerqueira – do qual a Folha obteve uma cópia – a diretora da SPU pediu ao Ibama que avaliasse essa questão.
Segundo Gonchorosky, a posição oficial do órgão ambiental é ‘‘totalmente contrária’’ ao desmembramento. Em dezembro, a direção do parque enviou à sede do Ibama, em Brasília, um documento em que expressa essa posição.Diretor do Parque do Iguaçu reage e afirma que a proposta da Secretaria de Patrimônio da União atenderia a ‘interesses econômicos’
Christian RizziSOLENIDADEO diretor do Parque Nacional do Iguaçu, Júlio Gonchorosky, recebe a tocha Flores da Paz do líder pacifista Sri Chinmoy