O atropelamento que resultou na morte do técnico em informática, Augusto do Nascimento Gonçalves Filho, de 21 anos, será investigado pela Delegada de Trânsito, Paula Francinete Rodrigues Nunes. Mesmo a morte tendo ocorrido na madrugada de domingo, apenas hoje ela deverá receber o boletim de ocorrência para instaurar o inquérito. A delegada afirmou que ficou sabendo do acidente pela imprensa.
A delegada vai apurar se houve ou não culpa por parte do condutor do Mercedes Benz Classe A preto (e não branco como foi informado ontem), Rafael Silva Grejo, de 19 anos. Ele seguia pela Avenida Harry Prochet, no sentido bairro-centro, e acabou atingindo Augusto, que seguia em uma bicicleta em sentido contrário. O acidente aconteceu perto de um posto que existe na avenida e o ciclista morreu no local.
De acordo com o 2º sargento da Companhia de Trânsito, Edivaldo Lopes, a Polícia Técnica periciou o local mas pouco conseguiu apurar. Segundo o policial, não foi possível precisar, por exemplo, o local exato do impacto. O choque, informou a polícia, teria sido transversal. A bicicleta usada por Augusto foi jogada a quase 20 metros de distância do corpo.
O sargento Lopes afirmou ainda que Rafael acionou o resgate mas não estava presente quando a PM chegou ao local do acidente. Ele teria ficado muito nervoso e foi levado até um hospital, ''por meios próprios''.
Augusto vivia com um tio e estava prestes a realizar um sonho de sua vida. No dia 7 de março viajaria para Londres (Inglaterra), onde pretendia trabalhar e estudar. A família de Rafael foi contatada pela reportagem mas preferiu não dar declarações.