Dois lançamentos clandestinos de esgoto foram descobertos no Córrego Cacique, primeiro afluente direto do Ribeirão Cambé, que forma o Lago Igapó, em Londrina. A denúncia foi feita pela Organização Não-Governamental (ONG) Patrulha das Águas, que também identificou assoreamento e desmatamento ciliar em uma área da zona oeste de Londrina. O problema encontrado no córrego se repete em outros afluentes do Cambé, além de descargas de óleo combustível e lixo. A sujeira é lançada no lago, agravando o quadro de poluição já existente no local.
‘‘Não adianta limpar apenas o lago, pois toda a bacia já está comprometida. Seria preciso realizar um trabalho na nascente e afluentes do Ribeirão Camb钒, argumentou a geógrafa Neuza Maria Emídio, técnica do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama). O instituto foi acionado pela Patrulha das Águas e está investigando os responsáveis pelo esgoto no Córrego Cacique. Entre outras providências, solicitou ao Instituto Ambiental do Paraná (IAP) a análise da água para confirmar a procedência do esgoto.
O Ibama também já notificou o proprietário das terras onde aconteceu a derrubada da vegetação ciliar. De acordo com a técnica, o responsável é um sem-teto que invadiu a propriedade e ‘‘limpou a área’’. O desmatamento causou erosão nas margens do córrego, obstruindo a nascente. ‘‘Caso não sejam tomadas providências, existe a possibilidade de acontecer a morte do córrego’’, diz João Batista Moreira de Souza, vice-presidente da Ong.
Neuza informou que todas as infrações serão investigadas e os culpados serão obrigados a tomar providências para solucionar o problema. Ela acrescentou que a lei prevê a preservação de 30 metros de vegetação em cada margem do córrego, para evitar o assoreamento. Com relação ao esgoto, explicou que as indústrias sabem que é proibido lançar dejetos sem tratamento nos rios, mas continuam adotando a prática. ‘‘Os empresários precisam do licenciamento do IAP, que só permite o escoamento do esgoto se a água resultante for de qualidade igual ou superior a água do rio.’’