A construção civil continua sendo o ramo com mais acidentes de trabalho nos últimos anos. Dados do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) e da Secretaria Estadual da Saúde indicam 2.664 casos em 1998, 13,7% dos casos de acidentes registrados no Estado.
Em Curitiba foram 8.620 acidentes de trabalho entre os anos de 1993 e 1998, com 170 mortes. Nesse período a Secretaria Municipal da Saúde registrou 1.082 acidentes na construção civil, seguida do ramo de madeiras e mobiliários com 594 acidentes e o setor de alimentos com 569. No Estado são empregados 150 mil trabalhadores no setor de construção.
Margarida Lenzi, do setor de Vigilância Sanitária da Secretaria da Saúde de Curitiba, informou que as obras executadas no município são fiscalizadas periodicamente. ‘‘Através do cadastro das obras inscritas na prefeitura localizamos as construções com mais de cinco pavimentos e vamos checar’’, disse Margarida.
Durante o primeiro semestre deste ano foram realizadas 377 vistorias. ‘‘Por causa do grande número de trabalhadores do setor, ele acaba sendo o responsável pelo maior número de ocorrências’’. Nesse período 21 pessoas morreram.
Ainda que tenha ocorrido uma redução de 8,68% nas notificações de acidentes, de 98 para 99, foram registrados 378.365 acidentes no ano passado. Para o presidente da Associação Paranaense de Medicina do Trabalho, Aurelino Mader Gonçalves Filho, são 300 mil dedos amputados por causa dos acidentes no País todos os anos.