Concessionária instala proteção em trecho perigoso da BR-369 Mário CesarFuncionários da Econorte instalam defensas na altura do KM 160 da BR-369, onde acidentes são constantes Lucilia Okamura De Londrina Até o dia 10 a Econorte, concessionária responsável pelo lote 1 do Anel de Integração, deve concluir a instalação de defensas – espécie de guard rail – na BR-369, entre Londrina e Cambé, onde existe uma curva acentuada. A obra é uma reivindicação antiga da comunidade e tem o objetivo de evitar que novos acidentes aconteçam no trecho, considerados um dos mais críticos da rodovia. A instalação de defensas é resultado de um procedimento administrativo instaurado pela promotora de justiça Adriana Lino, de Cambé. Ela tomou esta providência após receber um abaixo-assinado de um grupo de moradores, que reivindicava melhorias nas condições da rodovia. No dia 18 de fevereiro, no Ministério Público, foi assinado um termo em que a Econorte se compromete a implantar defensas de aço em um prazo de 45 dias. O projeto teve o aval do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) e da empresa Pavibrás, responsável pela construção do Contorno Leste de Cambé, cujas obras estão paralisadas. O Contorno Leste (também chamada de transposição) está sendo erguido justamente no trecho onde estão sendo instaladas as defensas. O engenheiro supervisor da Econorte, José Pedro da Silva, informou que a instalação das defensas teve início no dia 21 do mês passado, na altura do km 160 da rodovia. A obra está sendo realizada em um trecho de 550 metros. ‘‘Já instalamos defensas em 330 metros’’, disse. Silva explicou que a instalação deve estar concluída na sexta-feira (dia 10). Segundo ele, as defensas (de 80 cm de altura) poderão ‘‘segurar’’ veículos pequenos que estejam trafegando na velocidade dimensionada para a rodovia – cerca de 80 km/hora. O advogado Antonio Casaroto, um dos que organizou o abaixo-assinado, considera a instalação das defensas uma vitória. Segundo ele, a luta da comunidade não vai parar. ‘‘A gente pretende se mobilizar para fazer com que as obras de transposição sejam reiniciadas’’, afirmou. O trecho da BR-369 onde a obra está sendo realizada é considerado bastante crítico e os acidentes, segundo os moradores, são constantes. O último acidente com vítima fatal aconteceu em dezembro, quando um carro capotou. Uma menina de três anos morreu.