A Companhia de Habitação de Londrina (Cohab) rescindiu 198 contratos de mutuários em cinco cidades da região Norte. O presidente da companhia, Carlos Eduardo Afonseca, explicou que a maioria das casas está com pessoas que não são os moradores que aparecem nos contratos. Por não serem os verdadeiros donos, a inadimplência já chegou a 100% em alguns conjuntos. ''Queremos fazer novos contratos com os moradores atuais'', salientou.
Segundo Afonseca, essas casas foram construídas em 1991 e 1992 através de um acordo entre a Caixa Econômica Federal e construtoras, sem nenhum estudo de demanda habitacional. Quando ficaram prontas, ninguém quis administrá-las e o contrato com os mutuários acabou ficando com a Cohab. Com o alto índice de inadimplência, o débito alcançou valores impraticáveis, ficando entre R$ 11 mil e até R$ 18 mil, enquanto os imóveis são avaliados em R$ 2,5 mil. ''Fizemos um acordo com a Caixa e diminuímos o saldo devedor para R$ 2,5 mil'', explicou Afonseca. Assim, as parcelas pagas diminuíram de R$ 100,00 para R$ 40,00 mensais.
Com o novo acordo, Afonseca espera que a inadimplência baixe para 20 ou 25%.