O 5º Batalhão da Polícia Militar de Londrina abriu uma sindicância interna para investigar a denúncia do cinegrafista Marcelo Rodrigues Vieria, 25 anos, que acusa dois policiais de terem usado de truculência durante uma abordagem, por volta das 20 horas de segunda-feira, em uma avenida da região norte da cidade. Ontem, Vieira foi submetido a exame de corpo delito e amanhã deve procurar o Ministério Público para denunciar o caso.
A Folha apurou que o cinegrafista saía de uma sorveteria com a prima de sua namorada, a menor C., de 11 anos, quando foi ‘‘fechado’’ pela viatura da PM. Ele afirmou em uma emissora de rádio que os policiais, identificados como Ademir e Gonçalves, tentaram arrancá-lo à força do veículo. Segundo Vieira, os policias diziam que ele estava sendo autuado por porte de drogas e o acusavam de ter feito sexo com a menor. Ainda de acordo com o cinegrafista, a abordagem chamou a atenção dos moradores, que foram até o local verificar o que acontecia. Então, os policias teriam ordenado que o cinegrafista seguisse a viatura até outro local. Lá, voltaram a bater nele e despiram a menor. Depois, exigiram R$ 100,00 para não prendê-lo.
Como não tinha o dinheiro, os policias teriam dado um prazo de 30 minutos para que o rapaz conseguisse o dinheiro e entregasse num posto de combustível, localizado nas proximidades. Ao chegar em casa, o cinegrafista telefonou para o posto e um funcionário disse que a polícia avisou que era para ele deixar a ‘‘encomenda’’ no estabelecimento. O comando da PM informou que tem 15 dias para concluir a sindicância, mas adiantou que os policiais acusados ainda não haviam sido ouvidos.