Aproximadamente 70 pessoas continuavam alojadas ontem em um albergue de Cascavel por causa das chuvas. As famílias começaram a ser levadas para o abrigo no final da tarde de anteontem porque os barracos onde moram foram alagados pelo transbordamento do Córrego Bezerra, que cruza a zona oeste da cidade. A maioria são crianças e mães, já que os pais se recusaram a deixar os barracos temendo saques.
Muitos insistiram para voltar para casa ontem, mas não foram autorizados porque as chuvas continuaram durante todo o dia. ‘‘Permitir a volta agora seria colocá-los em risco’’, disse a secretária de Ação Social, Regina Bento. A Defesa Civil e Corpo de Bombeiros permaneciam mobilizados para a eventualidade de retirar outras famílias do fundo de vale.
O Córrego Bezerra tornou-se ponto crítico para alagamentos com a rápida expansão de loteamentos na zona oeste, a partir dos quais se formaram núcleos de favelamento nas margens do riacho.
Em várias cidades da região Oeste as fortes chuvas causaram pequenos alagamentos de riachos. Ventos fortes destelharam algumas casas e derrubaram galhos de árvores, inclusive sobre a rede de energia elétrica.
Em Toledo, o Rio São Francisco transbordou e as águas cobriram a pista de uma estrada que dá acesso ao Clube Caça e Pesca, na periferia da cidade. O trecho permaneceu interditado durante todo o dia.