A Comissão Especial de Inquérito (CEI), criada pela Câmara de Londrina para investigar a administração municipal, propõe a realização de uma auditoria nos contratos e aditivos firmados com a Vega Engenharia Ambiental, responsável pela coleta, transporte e destinação final do lixo. A CEI também sugere um estudo para que o município assuma esse serviço ou faça nova licitação para repassar o sistema a empresas particulares. O relatório final da CEI deve ser votado na sessão de quinta-feira e, se for aprovado, será encaminhado ao prefeito Jorge Scaff (PSB) e ao Ministério Público.
Mesmo sem conseguir da AMA a relação de pagamentos feitos à Vega Ambiental nos últimos anos, a comissão constatou ‘‘uma evolução significativa no custo total desse serviço’’. Segundo números do relatório, em 92 a Vega recebeu U$ 1,6 milhão; U$ 2,6 milhão em 93; U$ 3,7 milhão em 94; U$ 5,1 milhão em 95 e U$ 6,9 milhão em 97. O relatório lembra que as elevações no custo global do serviço continuaram ocorrendo mesmo após a implantação do Plano Real, que reduziu substancialmente o índice de inflação anual.
O documento assinado por cinco vereadores, entre eles o presidente da comissão, Célio Guergoletto (PMDB), e o relator Tercílio Turini (PSDB), também questiona o custo de coleta, transporte e destinação final do lixo. ‘‘O preço cobrado em Londrina por tonelada de lixo coletado (R$ 57,85) é bastante elevado se comparado com a cidade de Ribeirão Preto (SP), que paga R$ 17’’, afirma o relatório. Citando matéria da Folha, o relatório afirma que se comparado a outros municípios onde a Vega também presta serviço, o preço pago em Londrina só é menor que os valores pagos nas cidades paulistas de São Caetano do Sul (R$ 59,85) e São Carlos (R$ 59,12).
Na semana passada uma vistoria do Instituto de Pesos e Medidas (Ipem) e da Auditoria da Prefeitura constatou a existência de dois ímãs na balança usada para a pesagem de lixo. A pedido da Promotora de Meio Ambiente, Luciana Lepri Ribeiro, e do presidente da AMA, Rafael Fuentes, foi instaurado um inquérito policial sobre o caso. O prefeito Jorge Scaff disse que viajou no dia em que houve o problema com a balança e pretende se manifestar hoje sobre a questão do lixo. ‘‘Vou tomar pé da situação. Quero ver o que foi apurado antes de falar qualquer coisa’’, disse ontem.