Além das dificuldades por causa das condições das rodovias, motoristas temem que reajuste comprometa transporte
SEM MANUTENÇÃONa BR-369, no trecho entre Cascavel e Maringá, placa coberta pelo mato quase não pode ser vista pelos motoristasNa BR-369, próximo a Andirá, a água invade a pista em dias de chuva (à esquerda). Acima, o governador Jaime Lerner em solenidade para anunciar o início da duplicação da Rodovia do Café, uma obra que não saiu do papel. Motoristas dizem que são a favor do pedágio, mas contestam as condições das rodoviasAté o próprio governo já admitiu: são os caminhoneiros os principais prejudicados em toda a história envolvendo o Anel de Integração. De um lado enfrentam dificuldades por conta das condições da rodovia e por outro temem um reajuste da tarifa que possa comprometer o transporte rodoviário de cargas no Paraná. Enquanto o governo tenta um acordo com as concessionárias para estabelecer um reajuste diferenciado para a classe dos transportes, os motoristas e as transportadoras vivem a incerteza quanto ao futuro econômico do setor.
Todos os caminhoneiros ouvidos pela Folha, sem nenhuma exceção, declararam que são absolutamente a favor do pedágio. A única objeção colocada diz respeito ao preço das tarifas e a definição de obras que tragam realmente a modernização das rodovias. O motorista Antônio Pereira Ramos, de Francisco Beltrão, disse que a ‘‘segurança melhorou por causa do novo Código de Trânsito Brasileiro e não por conta da privatização’’.
Na avaliação de Ramos e seu companheiro, também motorista, Roberto Carlos Lira, da maneira como está sendo aplicado, o pedágio representa um ‘‘assalto à mão armada’’. Eles alegam que nada mudou na recuperação de pistas e acostamentos. Sobre a precariedade das estradas, eles destacam que um simples acostamento, quando bem feito, pode evitar um grave acidente.
O motorista Sérgio Peron, que participou de uma entrevista com a Folha em um posto de combustível na BR-376, entre Ponta Grossa e Apucarana, encerrou suas declarações com a seguinte frase: ‘‘ajuda nós, pelo amor de Deus’’.