Valmir Denardin
Enviado à Costa Oeste
As bases náuticas de Foz do Iguaçu e Santa Helena serão usadas para cursos de aprendizagem de esportes aquáticos para estudantes de escolas públicas. A informação foi dada à Folha pela arquiteta Luciana Bazan, coordenadora do escritório da EcoParaná no Extremo-Oeste do Estado.
Em reportagem publicada no domingo, a Folha mostrou que, das seis bases náuticas construídas pelo governo estadual na Costa Oeste (região que engloba os 15 municípios da margem paranaense do Lago de Itaipu), apenas três estão tendo algum tipo de atividade, ainda que parcial. As outras três estão completamente abandonadas desde a realização dos Jogos Mundiais da Natureza, em setembro de 97.
Os complexos de Santa Helena e Entre Rios do Oeste foram encampados pelas prefeituras e abrigam cursos e pequenos eventos locais e regionais. Parte da base de Foz é ocupada pela sede regional da EcoParaná. A única utilização esportiva ocorre em Entre Rios do Oeste, onde a prefeitura montou uma escola de canoagem que atende 43 alunos.
Segundo Luciana, as bases de Foz e Santa Helena vão sediar núcleos do Projeto Navegar, desenvolvido pelo Ministério de Esporte e Turismo sob a coordenação do iatista Lars Grael. Na Costa Oeste, o projeto terá turmas de vela, canoagem, remo e caiaque. Outros dois municípios paranaenses – Curitiba e Paranaguá – serão beneficiados neste ano.
De acordo com a coordenadora regional da EcoParaná, cada núcleo na Costa Oeste atenderá 160 crianças e adolescentes, entre 7 e 14 anos. O tempo de duração do aprendizado, que engloba as quatro modalidades, é de quatro meses. A previsão é que as aulas sejam iniciadas em março. O Projeto Navegar é uma parceria entre o ministério (que envia equipamentos, como barcos, caiaques e remos) e as prefeituras beneficiadas (que cedem os professores).
Na semana passada, a EcoParaná iniciou um trabalho de limpeza das bases náuticas não mantidas pelas prefeituras – a maioria delas tomadas pelo mato e o lixo. O trabalho começou por Foz do Iguaçu.