APP pára a contratação de professores Rubens Burigo Neto De Curitiba A Associação dos Professores do Paraná (APP-Sindicato) divulgou ontem, em Curitiba, que obteve do juiz Nilson Mizuta, da 4ª Vara de Fazenda Pública, decisão liminar que determina a suspensão das contratações de professores através do processo seletivo instituído pela Paranáeducação – empresa para-estatal vinculada à Secretaria de Estado da Educação, que está gerenciando a contratação de professores para a rede estadual de ensino. A assessoria de imprensa da secretaria disse que, apesar da liminar, está garantida a realização do processo seletivo para professores e pedagogos que acontecerá amanhã, em 29 cidades. ‘‘A secretaria foi alertada por nós para, no mínimo, esperar a decisão do Supremo Tribunal Federal sobre a ação direta de inconstitucionalidade contra a Paranáeducação, antes de realizar este concurso’’, salientou o presidente da APP, Romeu Gomes de Miranda. A assessoria de imprensa da secretaria de educação informou que o departamento jurídico da secretaria não recebeu nenhum comunicado oficial sobre a liminar, e que só tomou conhecimento da decisão através da imprensa. Apesar de demonstrar desconhecimento da liminar a assessoria contestou a declaração do juiz, que consta na sentença, de que a Paranáeducação é ‘‘figura inexistente’’. Segundo a assessoria, ainda não está comprovada a insconstitucionalidade da empresa e, sendo assim, o juiz não poderia basear-se nesta informação para conceder a liminar. O presidente da APP salientou que a realização de processo seletivo para a contratação de professores lesa a Constituição Federal. ‘‘Para ser contratado pelo Estado, as pessoas devem realizar concurso público, de provas ou de títulos, disse Miranda.