Da Redação
Em reunião ontem com os representantes da Universidade Estadual de Londrina (UEL), o vice-reitor da instituição, Márcio José de Almeida, assegurou a proibição do trote. Se sofrer alguma agressão, o calouro deve procurar um dos postos de recebimento de reclamações e preencher o formulário relativo a trote violento ou abusivo.
As queixas serão encaminhadas para a Coordenadoria de Assuntos de Ensino de Graduação (CAE) para abertura de processo disciplinar e punição dos infratores. O vice-reitor da UEL afirma que ‘‘o trote está terminantemente proibido em Londrina’’.
Ele lembra que já existe uma lei municipal proibindo esta prática e que um projeto está tramitando na Assembléia Legislativa também com este intuito. O Conselho de Administração da UEL promoveu discussões com a sociedade e a partir delas proibiu qualquer manifestação que configure a agressão física, psicológica, dentro ou fora dos limites da universidade, através da resolução 89 de 11 de agosto de 1999.
A recepção aos calouros deverá ser feita com manifestações culturais e qualquer outra que seja em prol da comunidade, segundo o vice-reitor. Ele afirma que ‘‘no ambiente da universidade deve-se promover e estimular o culto do humanismo, da solidariedade e do absoluto respeito aos indivíduos’’.
Segundo Márcio Almeida, os professores também devem participar da recepção aos calouros, pois trata-se de um ‘‘momento pedagógico no ambiente do ensino’’. Na terça-feira, 1º de fevereiro, a UEL estará divulgando o resultado do vestibular. A lista com os 1.455 aprovados será entregue às 14 horas na CAE.