Alcoolismo é
3ª doença em
número de vítimas
O alcoolismo é uma doença fatal e incurável, que pode, no entanto, ser detida. Cada alcoólico atinge, em média, cinco pessoas, causando-lhes danos emocionais. Conforme a Organização Mundial de Saúde (OMS), o alcoolismo é a terceira doença que faz mais vítimas, sem considerar as mortes de pessoas em decorrência de acidentes provocados por motoristas embriagados.
- Uma reviravolta ocorreu nas últimas décadas. Antes só adultos, principalmente homens, eram vítimas do álcool. Hoje, jovens, crianças e mulheres entram com grande participação nessa triste estatística. De cada 100 alcoólatras, apenas um consegue entrar num programa de recuperação. Os outros 99 provavelmente morrerão sem querer parar de beber.
- O alcoolismo não é hereditário, mas a predisposição orgânica para desenvolver o vício pode ser transmitida de pais para os filhos. Aproximadamente dez em cada 100 pessoas nascem com essa predisposição, mas só desenvolverão a doença se entrarem em contato com o álcool.
- O espírito de grupo, principalmente na adolescência; a curiosidade, a cultura e fatores sociais estimulam o uso do álcool. Mas apenas dois fatores levam à continuidade do uso: predisposição orgânica, caracterizada principalmente pela tolerância, e os fatores sociais que reforçam o uso.
- Um dos motivos que levam o alcoólatra a continuar bebendo é a interferência de familiares que procuram ‘‘apagar o ontem à noite’’, procurando minimizar as perdas que a bebida traz.
- O tratamento convencional é demorado. A recuperação é difícil e depende da disposição do indivíduo em aceitar a ajuda necessária. Nada que se faça tem o poder de fazer o alcoólatra parar de beber. Ele só vai entrar num programa de recuperação se assim o quiser.
- O maior inimigo da recuperação são as recaídas, que podem levar à morte. A recuperação é um trabalho para anos e consiste em uma transformação de vida. (E.A.)