Da Redação
Dois afogamentos em menos de 24 horas colocaram em prontidão o Corpo de Bombeiros no Litoral do Paraná. Os acidentes aconteceram no fim da tarde de anteontem e na madrugada ontem. O turista paraguaio Raul Veras, 56, morreu em Guaratuba e o estudante Fernando Cestalen, 16 anos, estava desaparecido no mar em Ipanema (próximo a Matinhos), mas os bombeiros já o consideravam como morto.
O turista Raul Veras se afogou quando tentava salvar a vida de sua filha, que banhava-se em local proibido pelos bombeiros. Mesmo com bandeira sinalizando perigo, a filha de Veras entrou no mar. Ao ver que ela afundava em um buraco, o pai tentou retirá-la. Mas os dois se afogaram. Os bombeiros conseguiram salvar a menina. Quando retiravam Raul Veras, ele teve uma parada
cardiorrespiratória. O turista foi ‘ressuscitado’ e levado ao hospital, mas novamente seu pulmão e coração pararam, levando-o à morte.
Quanto ao afogamento do estudante Fernando Cestalen, o tenente Gerson Gross informou que aconteceu às 5h10. O corpo de bombeiros foi acionado por um grupo de amigos do rapaz que informaram que ele entrou no mar, mas não retornou. Os bombeiros suspeitam que eles possam ter vindo de uma festa, onde tomaram bebidas alcoólicas antes de entrar no mar. O corpo do rapaz, que é de Colombo (Região Metropolitana de Curitiba), estava sendo procurado ontem pela manhã.
Desde o início da Operação Eco-Verão, na segunda quinzena de dezembro, 120 pessoas se afogaram nas praias do Estado. Para evitar situações desagradáveis, o tenente Gross aconselha aos banhistas que entrem no mar apenas durante o horário de operação dos salva-vidas, entre 8 e 20 horas.