Em uma época em que os materiais tecnológicos rompem os limites factíveis de tudo o que era esboço no século passado, uma parcela de profissionais se volta para projetos de orçamentos baixos, com enfoque sustentável em todas as etapas da construção. A casa ecologicamente correta é um exemplo desse tipo de projeto, desenvolvida pelo Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas Socioeconômicos (Inbrape) em escala comercial. A casa, a partir de 48 m2, é feita basicamente areia, cimento, pó de pedra, terra e cal. O que também chama atenção nesse processo é a tecnologia utilizada na produção dos tijolos vazados, que dispensam forno, evitando a queima de lenha. "Como o tijolo não é cozido, cada casa erguida deixa de queimar de 5 a 6 árvores, sem contar a devastação e degradação do meio ambiente", diz o professor Carlos Ikehara, diretor geral do Inbrape.
O sistema não possui colunas, dispensando a caixaria, material que no método tradicional é dispensado na conclusão da obra. Os tijolos são produzidos no canteiro da obra, criando novas oportunidades de trabalho, mão de obra feminina e qualificação profissional. Ikehara destaca também o sistema de cobertura feito com o aproveitamento de embalagens longa vida, tecnologia desenvolvida pelo próprio fabricante, a Tetrapack, que recicla esse material. "Essas telhas resistem à chuva de granizo, além de oferecer conforto térmico, pois sua cor prateada reflete parte da energia solar que incide na superfície.
A rapidez da construção em série é outro aspecto positivo: em dez dias úteis, sem chuva, a residência é entregue praticamente mobiliada. A mobília inclui móveis em MDF (camas e armários nos quartos, cozinha com pia e armários, mesa e cadeiras), além de aquecedor solar, visando economia de energia nos chuveiros e nas torneiras da cozinha, captador de água de chuva e estrutura planejada para a casa ser ampliada. Forro e piso podem ser escolhidos pelos moradores. O projeto inclui ainda espaço para depósito de lixos orgânico e reciclado, que poderá ser comercializado e os recursos aplicados na comunidade.
O Programa Nacional de Construção de Moradia Sustentável foi desenvolvido para atender a demanda de um sindicato, que em parceria com uma indústria, pretende construir 10 mil casas. Esse sistema pode ser aplicado em casas e prédios de vários tamanhos. (www.inbrape.com.br).


Imagem ilustrativa da imagem PROJETO - Sustentabilidade em todas as etapas
A casa de 48m2 construída em Ponta Grossa em 10 dias: tijolos produzidos no local dispensam forno, evitando a queima de árvores
Imagem ilustrativa da imagem PROJETO - Sustentabilidade em todas as etapas
A casa é entregue mobiliada, incluindo móveis para quartos e cozinha em MDF revestido de melamina
Imagem ilustrativa da imagem PROJETO - Sustentabilidade em todas as etapas
Imagem ilustrativa da imagem PROJETO - Sustentabilidade em todas as etapas
Imagem ilustrativa da imagem PROJETO - Sustentabilidade em todas as etapas
O sistema construtivo é de alvenaria estrutural, sem vigas; tijolo vazado, à base de areia, cimento e pó de pedra, funciona como conduíte paver; terra, cal e areia fazem a junção dos tijolos