Produzir contrastes, brilhos, sombras, destacar objetos. Dar um 'clima' para sala de jantar, estar, quartos, escritórios e cozinha. Até nos jardins a luz faz muita diferença. Pensar nos pontos de luz durante a construção ou reforma pode garantir que qualquer ambiente fique mais sofisticado, acolhedor, idela para o descanso ou para o trabalho.
Para isso, entram em cena a arquitetura e os projetos luminotécnicos. Para produzir um ambiente ideal, o perfil, os hábitos e as expectativas dos moradores devem ser levados em consideração. Quando o projeto luminotécnico caminha em concomitância com a execução da obra, a economia gerada é maior. Não há desperdício de material e a elaboração torna-se mais eficiente, com a integração dos projetos de engenharia elétrica e civil. Mas para quem já está com a casa pronta ainda é possível dar a ela cara nova. ''Quando isso não acontece, a reforma para a readequação de pontos de luz é a saída'', explica o light designer Renaldo Costa.
A iluminação de ambientes, conforme ele, é fruto da sensibilidade em compreender a necessidade de cada espaço, qual a atmosfera que se deseja criar. ''Não é simplesmente colocar a luz e ter o resultado esperado, um projeto luminotécnico abrange muito mais. Requer a escolha da peça ideal e adequá-la à lâmpada correta'', define Costa.
O hit do momento nos projetos luminotécnicos, segundo ele, é a tecnologia LED, que permite coloração em vários tons e economia incomparável. A única questão que impede ainda que a maioria dos projetos leve essa concepção é o preço. Uma lâmpada super Led custa de R$ 75 a R$ 90, sua vida útil pode atingir as 50 mil horas e a economia gerada, dependendo do projeto luminotécnico, pode chegar a 700%. ''A PAR 20 custa entre R$ 10 e R$ 15 e seu tempo de duração pode superar 2 mil horas de uso. O custo benefício compensa, mas como a obra requer outros investimentos na hora de sua execução é um valor que ainda pesa'', diz Costa, que prospecta a mudança desse cenário em breve. ''O LED em três anos vai se tornar mais acessível, incorporando o conceito de sustentabilidade tão discutido na construção civil'', aponta.
As lâmpadas dicróicas, PAR 20, incandescentes e fluorescentes, conforme ele, ainda são as mais utilizadas. Abrem fachos de luz em graus variados, possibilitando diferentes amplitudes.
Costa acrescenta que outro ponto a ser trabalhado num pojeto luminotécnico para áreas de convivência é a temperatura do ambiente. ''As lâmpadas em 3000 K com nuances amarelas são as ideais. Além de proporcionar conforto visual a fidelização das cores nessa temperatura é superior a da fluorescente 6400 K, conhecida como a luz do dia'', diz.
Uma cozinha, por exemplo, precisa de uma iluminação difusa para que o ambiente exerça a função que tem. Nesses casos, pontos de luminância podem criar cenários para destacar um granito, um móvel ou uma decoração. '' Usar somente iluminação pontual encarece o projeto. As luzes mencionadas servem de apoio da geral. Esses pontos são para encantar o ambiente e não para iluminá-lo totalmente'', diz.
Um bom projeto de iluminação para a arquiteta Juliana Meda deve valorizar cada ambiente da obra. ''Além de demonstrar a beleza dos acabamentos, as cores dos acessórios, e as tonalidades dos móveis, o conforto visual que uma boa iluminação produz também estimula sensações'', define.
Para não haver excessos nas combinações e uma iluminação não tirar a beleza da outra alguns cuidados devem ser tomados. ''Uma luz central com grande intensidade, ligada em conjunto com uma sequência de luz cênica, focal pode não causar o efeito desejado. A melhor opção é ligá-las independentes, com o auxílo de um dimmer para a intensidade necessária'', acrescenta.
Costa repassa algumas dicas para iluminar alguns ambientes. Um living ou a conhecida sala de estar que contemple apenas um ponto de iluminação pode receber um spot com luzes pontuais ou um plafon com luz difusa e lâmpadas incandescentes, fluorescentes ou de LED.
A sala de TV, quando serve para lazer e estudo, precisa de uma adequação. Na hora da tarefa exige a presença da luz difusa que proporciona um fluxo luminoso geral e intenso. ''Já para deixar a sala de TV com cara de cinema dimerizar os pontos de luz é a opção'', diz Costa.
Para os ambientes de trabalho a luz fria continua sendo a mais indicada. Porém planejar um ambiente apenas com ela não é uma boa pedida. ''A combinação com outras luzes como a halógena e a incandescente mantém a fidelidade da cor'', explica. A iluminação indicada e ergonomicamente correta é a 4000 K, que tem função repousante e evita o cansaço, acrescenta.
Os quartos, conforme Costa, pedem uma luz funcional difusa. Mas fazer um misto com luzes pontuais e até mesmo as internas nos armários é uma ótima saída.

Imagem ilustrativa da imagem INVESTIMENTO VÁLIDO
| Foto: Fotos: Divulgação
Iluminação frontal com fitas de LED marcam o cenário das salas comerciais do Jardim Sul, da A. Yoshii. Todas as mesas ganham iluminação focal halógena e sob as mesmas e entre as pranchas da prateleira fita de LED amarelas trazem conforto ao ambiente corporativo. Projeto de Juliana Meda
Imagem ilustrativa da imagem INVESTIMENTO VÁLIDO
As plantas do projeto de Juliana Meda foram valorizadas com uma iluminação focal mais intensa com lâmpadas PAR 20. Na entrada, a luz de balizadores e as de rastro valorizam a passagem. Os pilares de madeira e as vigas da cobertura ganharam outro valor com a iluminação feita com halógenas
Imagem ilustrativa da imagem INVESTIMENTO VÁLIDO
A imponente cozinha do maison Heritage ganha vários jogos de luzes: a luz fria para usar no dia a dia, no preparo dos alimentos e a luz cênica para agregar valor aos móveis e objetos de decoração. Projeto Juliana Meda
Imagem ilustrativa da imagem INVESTIMENTO VÁLIDO
Na varanda do Heritage, as pérgolas recebem iluminação quente e amarelas com mini dicróicas, propiciando maior conforto e aconchego ao ambiente. O uso dos abajures, além de enfeitar o ambiente, traz uma sensação mais intimista. Projeto de Juliana Meda
Imagem ilustrativa da imagem INVESTIMENTO VÁLIDO
A decoração fica mais intimista no bar cervejaria do Autentique, com uma linha de luminárias embutidas com iluminação focada, destacando a estante em madeira e camurça. O pendente em cerâmica com lâmpada halógena ajuda a delimitar o ambiente. Projeto Luiza Bohrer
Imagem ilustrativa da imagem INVESTIMENTO VÁLIDO
No quarto da menina criado por Luiza Bohrer no edifício Allure, da Plaenge, um volume em gesso oculta pontos de luz focada embutida, que causam o efeito de facho de luz, destacando o verde da parede
Imagem ilustrativa da imagem INVESTIMENTO VÁLIDO
O escritório criado por Marcelo Melhado no Palhano Square Garden usa lâmpadas fluorescentes brancas e mais 12 spots de lâmpada dicróica em cores mistas, para conferir elegância