Do período de dois anos vividos na Inglaterra com o marido e as três filhas, a professora de piano Louris Cleide Lorenço Cecchini guardou lembranças que fazem parte da decoração da sua casa até hoje. A lareira elétrica, comprada em 1990 em Londres, chegou a Londrina em uma época em que este tipo de tecnologia era algo desconhecido por aqui.
"A vantagem é que o aparelho aquece rapidamente todo o ambiente, sem consumir muita energia. Como moramos no 13º andar no ponto mais alto do bairro, precisamos ligar a lareira à noite para ficar na sala. Desde a época em que a compramos, nunca apresentou problemas", diz.
Apaixonada por artes e adepta do estilo clássico, Louris gosta de manter móveis antigos na decoração e de restaurá-los quando necessário. O relógio centenário herdado do bisavô passou por pequenos reparos em São Paulo e voltou a funcionar normalmente. "Algumas pessoas não reconhecem o valor das peças antigas, acham estranho colocar ‘coisas velhas’ dentro de casa. Eu gosto desses objetos justamente porque diferenciam a decoração, já que as casas atuais estão todas muito parecidas", ressalta Louris.


Fotos: Fernando Cremonez e divulgação


Imagem ilustrativa da imagem ESTILO - Decoração afetiva
Máscara de gesso: lembrança de Veneza
Imagem ilustrativa da imagem ESTILO - Decoração afetiva
A lareira elétrica foi trazida da Inglaterra na década de 90. A moldura em mármore, executada em Londrina, seguiu estilo inglês
Imagem ilustrativa da imagem ESTILO - Decoração afetiva
O carrinho-bar com tampo revestido de azulejos e estrutura em madeira tem cerca de 40 anos
Imagem ilustrativa da imagem ESTILO - Decoração afetiva
A cristaleira em mogno foi restaurada e recebeu portas de vidro
Imagem ilustrativa da imagem ESTILO - Decoração afetiva
Herança de família: relógio italiano do bisavô da moradora
Imagem ilustrativa da imagem ESTILO - Decoração afetiva
Trazida como souvenir de países europeus, a coleção em porcelana tem até prato com a imagem da princesa Diana