Agora é oficial: Saab Automóveis é da GM
A General Motors Corporation – primeira companhia automobilística do mundo –
escolheu o Salão de Detroit – Michigan (EUA) – para anunciar a compra de mais
50% da Saab Automóveis, assumindo, dessa forma, o controle total da indústria
sueca neste segmento. A GM já havia formado, em março de 1990, uma
joint-venture com o grupo Saab Scania e, em 1991, adquiriu 50% da empresa
(setor de automóveis) mediante o pagamento de US$ 600 milhões. A transação
de mais 50%, oficilizada em Detroit, parece ter exigido US$ 800 milhões da
companhia norte-americana.

Namoro de 10 anos
Com a aquisição (a GM tinha a opção de compra total), a companhia norte-americana passa a ter o controle da empresa sueca e conta, agora, com as marcas Opel Vauxhall, Cadillac, Chevrolet, Buick e Pontiac. Richard Wagoner, diretor geral da GM disse que há 10 anos vem acompanhando o êxito de mercado da Saab e sua expansão internacional. Fez questão de destacar o relacionamento positivo com seu sócio, controlado pela família Wallenbergy e que durante todo o tempo que durou a relação de sociedade, foi mantida uma identidade comercial que visa o desenvolvimento industrial das duas empresas.

Interagindo com usuário
Carros de conceito informatizados que venham a interagir com o usuário.
Assim, o diretor corporativo da Ford do Brasil, Célio Batalha, definiu a
participação da sua empresa no Salão de Detroit. ‘‘Nossa intenção é desenvolver carros para que toda população tenha acesso. Os veículos da Ford vão, com certeza, participar da vida das pessoas’’. O executivo foi, no entanto, cauteloso em suas declarações, quanto à presença dos carros conceitos lançados em Detroit, no Brasil. ‘‘São soluções para todas as regiões do mundo’’, enfatizou. A Ford, segundo Célio Batalha, diretor corporativo brasileiro, iniciará a importação da Explorer Limited V8 2000, que deverá custar em torno de US$ 55 mil. E irá trazer em março, de Detroit para o Brasil, alguns raros exemplares do Lincoln LS. ‘‘Não estarão à venda. São veículos que servirão de termômetro para analisar o mercado nacional’’, disse.

Tendência mundial
O Naias (North American International Auto Show) reuniu, esta semana, em Detroit, perto de 7 mil jornalistas de todo o mundo, que foram conhecer os lançamentos. Do Brasil, 53 jornalistas convidados pela Anfavea, através de um pool de empresas associadas, acompanharam a tendência mundial da indústria automobilística. Para o presidente da Anfavea, José Carlos Pinheiro Neto, o Salão de Detroit ‘‘é compacto e rico, pois mostra o que há de mais avançado na indústria automobilística do mundo em um espaco pequeno, mas com acesso a todo o mundo’’. A tecnologia do milênio está aqui’’, resumiu.

Investimentos da Toyota
Presente no Salão de Detroit, a Toyota anuncia planejamento que prevê investimentos de US$ 800 milhões na unidade de Indiana, nos EUA. Como resultado, a empresa espera atingir a capacidade de produção de 1,45 milhão de veículos.

A mais potente
A nova minivan Caravan, da Chrysler, deverá estar no mercado brasileiro a partir do próximo ano. Com novo motor de 235 cv, o modelo é o mais potente no mercado mundial no seu segmento. Outra novidada da nova mini van é a porta corrediça elétrica. A empresa também poderá levar ao Brasil o PT Cruiser. Todas as indústrias que estão mostrando seus carros conceitos ou lançamentos no Salão de Detroit primam pela tecnologia futurista. A Daimler-Crhysler deu um show ao mostrar seus novos produtos. O 300 Hemi C, conversível, com capacidade para quatro pessoas, motor V-8, com tração traseira, foi destaque em elegância.

Volvo, a perfeição
O executivo Lars Erik Lundim, vice-presidente de projetos da Volvo Car Corporation, revelou que em seu caso particular, apesar do gosto que tem por todos os carros, se sente realizado pelo trabalho efetivado nos novos Volvo V70 e V70 XC. Esses carros, segundo assessores da montadora, deverão estar rodando no Brasil no próximo ano. O Vision SLA, da Mercedes-Benz, com a mesma plataforma do Classe A, produzido no Brasil, roubou a cena no Salão de Detroit, o mesmo acontecendo com o SLK – carro de linha – conversível.

Salão cresce ano a ano
Esta é a 12.º edição internacional do Auto Show. O salão, no entanto, existe há 83 anos. No ano passado, 67 empresas mostraram seus produtos e foram lançados 62 novos veículos, a maioria ‘‘concept car’’. O público que presenciou o salão foi de 696.811 e estiveram presentes 6.379 jornalistas de todo o mundo. O salão realiza, anualmente, um show beneficiente e arrecadou, também, em 99, US$ 4.37 milhões. O total dos investimentos em estandes este ano foi de US$ 175 milhões, excluindo os investimentos dos 700 veículos em exposição.

Hummer, a estrela
Uma das estrelas do Salão de Detroit e o modelo Hummer, empresa especializada em veículos militares que se popularizam nas concessionárias e que recentemente foi adquirido pela GM. Junto com a General Motors, a Ford e a Daimler-Chrysler mostraram ao público 12 protótipos de alta tecnologia.

Tecnologia da informação
Ao circular pelos estandes do Salão, podemos obervar que, pelos bastidores, dezenas de altos executivos das montadoras, também procuram mostrar as tendências da indústria automobilística para o futuro, principalmente através dos meios de comunicação. Sem dúvida, a mais alta tecnologia que se vê em Detroit é a da informação.

Expansão dos blindados
O mercado brasileiro de carros blindados fechou o ano de 1999 com crescimento de 50%, em relação ao ano passado. Se comparado a 92, o aumento no número de blindagens é de 300%. Somente em 1999, mais de 3 mil veículos foram blindados. Há 7 anos, o número anual de blindagens era de 750 veículos. Segundo pesquisa realizada pela empresa americana de vidros blindados, AGP, hoje circulam pelas ruas brasileiras cerca de 7,3 mil veículos blindados.