Desde março deste ano, todas as montadoras que atuam no País passaram a ter que informar ao Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) quais carros foram chamados para realizar recall. A medida cumpre a determinação da Portaria Conjunta nº 69, publicada no Diário Oficial da União.
A intenção é fazer com que o eventual comprador de um veículo usado saiba que o carro já foi chamado para reparos e que o antigo dono os efetuou. Isso porque, segundo o Ministério da Justiça, em média, metade dos donos de carros chamados para consertos levam os veículos para as oficinas.
Por meio do recall registrado, um ano depois de a montadora convocar os proprietários será possível consultar quais deles fizeram os reparos necessários já que a informação será incluída no Renavam. É importante que os consumidores saibam que, segundo o Código de Defesa do Consumidor, recall não tem prazo de validade. Além disso, a eventual troca de peças e o serviço referente a determinado reparo devem ser gratuitos.
Na hora de levar o veículo convocado, o proprietário também deve exigir da concessionária o comprovante de que o recall foi realizado. Principalmente porque, agora, o documento deve conter todos os detalhes da convocação, inclusive o serviço executado no veículo. O Código de Defesa do Consumidor diz ainda que é de total responsabilidade da montadora reparar eventuais falhas ou problemas no produto.

Imagem ilustrativa da imagem Recall registrado entrará em vigor em março