Agência Estado
O presidente da Mercedes-Benz do Brasil, Ben Van Scheik, disse quarta-feira em Belo Horizonte, que a montadora alemã poderá iniciar a produção de um carro popular na unidade instalada em Juiz de Fora, possivelmente de uma marca japonesa. Segundo ele, a unidade mineira tem uma capacidade para a produção de 70 mil unidades por ano, com a utilização de 3 turnos de trabalho. Desde a inauguração da fábrica este ano em Juiz de Fora, só está sendo utilizado um turno de trabalho.
Para atingir a capacidade total, Scheik não acredita que
seria viável a colocação de um modelo do mesmo porte do Classe A. Dessa forma, a alternativa seria a produção de um carro popular com alta nacionalização e não da marca Mercedes. ‘‘Podemos desenvolver um modelo popular ou podemos comprar uma montadora que já tenha o modelo e, dessa forma o veículo não teria a marca Mercedes e nem Chrysler’’, disse. A montadora a ser adquirida, conforme o presidente da Mercedes-Benz do Brasil seria japonesa e a decisão poderá ser anunciada ainda este ano.
Scheik disse também que a Mercedes conseguiu atingir
este ano 17% do mercado de veículos com valores entre R$ 30 mil e R$ 45 mil em 1999, quando o patamar esperado era de 9% desse segmento. A montadora espera um crescimento de 15% nesse segmento para este ano.
O presidente da Mercedes-Benz do Brasil, juntamente com o presidente da Câmara de Comércio Brasil-Alemanha, Ingo Plöger, e o diretor de Relações Governamentais da montadora, Marcos Madureira, estiveram reunidos com o governador Itamar Franco, para apresentar uma campanha de auxílio aos desabrigados de Minas, São Paulo e Rio de Janeiro, para a qual foi criado um ‘‘comitê de auxílio às vítimas’’. A iniciativa do projeto contará com a participação de diversas empresas alemãs instaladas no Brasil, sendo que a Mercedes irá fornecer a logística ao projeto.