O segurança Walmir Braz da Cruz, de Ibiporã, conta que a vida toda gostou de carros grandes e antigos. Agora, ele vive essa paixão a bordo de um Ford Galaxie LTD 1979, totalmente original. De dimensões gigantescas - mais de 5 metros de comprimento e 2 metros de largura -, o carro mais luxuoso fabricado no Brasil ocupa toda a garagem da casa de Cruz, mas é uma diversão para o proprietário, que dedica tempo aos cuidados com o veículo desde a lataria.
"Tenho que tirar o dia para cuidar dele, deixo brilhando, dá até para pentear o cabelo", brinca. Recentemente, Cruz participou de um encontro de carros antigos em Jataizinho, e a preparação foi intensa. "Fiquei desde a uma hora da tarde até as oito da noite lavando e polindo o carro", relata. Antes do Galaxie, Cruz tinha uma F-400, que trocou há seis meses, atraído pelas boas condições do veículo de passeio, com seus 55 mil quilômetros rodados, "quase zero", como define ele.
Diferente de muitos colecionadores, Cruz não tem uma frota de carros antigos e utiliza o Galaxie no dia a dia. Até agora, as únicas alterações feitas no veículo foram uma bateria de 100 amperes e a suspensão a ar, que, na opinião dele, deixa o carro mais bonito. A mudança consiste em substituir por bolsas de ar as molas da suspensão mecânica original do veículo. Além de amaciar, o objetivo é controlar a altura em relação ao solo. Fora isso, o Galaxie está todo original.
Para Cruz, a alta velocidade alcançada pelo veículo – 220 km/h, de acordo com ele – é um de seus principais atrativos, além do conforto dos amplos bancos inteiriços de veludo cinza. As portas são revestidas em couro preto e o porta-malas é de uma amplidão espantosa. "É uma cama, dá para dormir aqui quando brigar com a mulher", brinca o segurança. Chama a atenção, ainda, as rodas inteiriças, sem raios.
Questionado sobre os gastos gerados por um carro antigo, Cruz tira por menos: "Se a pessoa não quer ter gasto, tem que andar a pé".

Motor
O LTD integra a família Galaxie, composta também pelo 500 e pela versão mais luxuosa, o Landau. O modelo LTD surgiu em 1969, equipado com um novo motor, o 292 V8, que já vinha nas versões do Galaxie 500 de 1968. Com 4.8 litros (4.785 cm³), este motor rendia 190 hp (cerca de 192 cv). No entanto, o LTD era mais lento que o 500, devido ao câmbio automático, que privilegiava a maciez, e ao peso maior. Sua velocidade máxima aproximava-se dos 150 km/h e sua aceleração de 0 a 100 km/h demorava cerca de 15 segundos.
Em 1976, toda a linha ganhou um novo motor: o 302 de 5.000cm³ e 198 cv. Na parte externa, os carros também ganharam novo capô e novos para-lamas. As lanternas dianteiras passaram a ser na vertical, localizadas na ponta dos para-lamas, e as lanternas traseiras passaram a ser seis pequenos retângulos (três de cada lado) dispostos na horizontal, bem como os quatro faróis, na dianteira, dispostos também horizontalmente.
Em 1978, a novidade foram os pneus radiais, para-brisa degradê e vidros verdes. O volante de direção passou a ter um novo formato, com quatro raios, bancos de veludo cinza claro ou cinza escuro. Daí até a extinção da linha foram poucas as mudanças.

A bordo do clássico gigante
A bordo do clássico gigante A bordo do clássico gigante A bordo do clássico gigante A bordo do clássico gigante A bordo do clássico gigante A bordo do clássico gigante A bordo do clássico gigante A bordo do clássico gigante A bordo do clássico gigante A bordo do clássico gigante A bordo do clássico gigante A bordo do clássico gigante A bordo do clássico gigante



LEIA MAIS

Linha supriu demanda por carros de luxo

Pioneiro nos motores a álcool