Esqueça os 15 casais com velas ao redor da debutante. As festas de 15 anos se reinventaram e contam com adaptações cada vez mais modernas às tradicionais valsas. "Hoje em dia não existe um padrão. A maioria das meninas quer fazer algo diferente", comenta o professor de dança e coreógrafo Augusto Bogo. Segundo ele, a maioria das debutantes acaba escolhendo um "mix de músicas" para dançar com o pai ou com um grupo de amigos. "São vários estilos musicais diferentes reunidos na mesma dança", explica. Mesmo as mais tradicionais, acabam buscando uma maneira de inovar, conforme o professor. "Até as valsas ganharam coreografias diferentes."

A estudante Andressa Berbel quis dar uma nova roupagem à valsa em sua festa de 15 anos, que ocorreu em março. Na ocasião, ela e o pai, o engenheiro civil Fernando Berbel, dançaram a valsa com uma coreografia mais elaborada, com direito a saltos e passos diferenciados. "Eu sempre quis ter o momento da valsa com meu pai, mas pensei em fazer algo mais moderno. Tinha até uns passos no ar", conta Andressa. Para a adolescente esse foi um dos momentos mais marcantes da festa. "Com certeza foi o ponto principal. Era o momento mais esperado por mim e o que mais me marcou, além de ter me aproximado muito mais do meu pai", relembra.

Segundo Augusto Bogo, por ser um dos pontos altos da festa, pais e amigos deixam a vergonha de lado para dançar com a debutante. "Eu digo que é a cereja do bolo. As pessoas vão à festa esperando por esse momento".

Momentos especiais merecem trajes especiais. Por este motivo, a maioria das adolescentes acabam trocando de vestido para a hora da dança. "Eu usei um vestido curto para receber os convidados, depois coloquei um branco longo para a valsa e, por fim, troquei a saia desse último por uma outra para a balada", conta Andressa.

A adolescente Maria Eduarda Oliver foi além. Ao todo, foram quatro trocas de vestido durante sua festa de 15 anos que ocorreu em junho deste ano. "Usei o primeiro para a recepção dos convidados, outro para a minha entrada, um vestido longo para a dança e o quarto para a balada", relata. A hora da dança também foi um momento especial para Maria Eduarda, que além da valsa, fez uma apresentação com os amigos. "Dancei a valsa com meu pai e meu avô, mas não foi uma valsa normal, foi ao som da música do filme 'Crepúsculo'".

Já na dança com os amigos Maria Eduarda contou com a companhia de 14 casais durante a coreografia. "Fizemos um 'mix' com vários ritmos diferentes", conta. Segundo a jovem, a variedade de ritmos tinha como objetivo divertir e agradar a todos os convidados que assistiram a apresentação. "Teve funk, axé, eletrônico e até uma música antiga do Sidney Magal".

Imagem ilustrativa da imagem No ritmo da balada
| Foto: Fotos: Arquivo Pessoal
Para a dança com os amigos de Maria Eduarda um mix com vários ritmos garantiu a animação
Imagem ilustrativa da imagem No ritmo da balada
Em seu debut, Andressa Berbel optou por dar uma nova roupagem à valsa com seu pai, Fernando Berbel, o resultado foi de mais proximidade entre os dois