VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Esporte
06/10/2017
CRISE NO ESPORTE

COI suspende COB do movimento olímpico e afasta Nuzman após prisão de dirigente

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

AFP
AFP


No pior golpe já sofrido pelo movimento olímpico brasileiro, o Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou nesta sexta-feira (6) que o Comitê Olímpico do Brasil (COB) está suspenso e afastou o seu presidente, Carlos Arthur Nuzman, de suas funções diretivas. Nuzman está preso provisoriamente no Rio de Janeiro, por suspeita de corrupção. A decisão, no entanto, permite que os atletas brasileiros possam continuar a representar o País nos Jogos de Inverno de 2018. Não se sabe ainda, entretanto, se isso poderá ocorrer com a bandeira do Brasil.
PUBLICIDADE

Leia mais:
PF prende Nuzman por suspeita de fraude na escolha do Rio para sediar Olimpíadas
Presidente do COB é preso pela PF

A decisão foi adotada pelo Conselho Executivo do COI nesta sexta-feira (6), depois de avaliar as alegações da polícia sobre os dirigentes brasileiros e a suposta compra de votos pelo Brasil para sediar os Jogos de 2016.

Sobre Nuzmam, o COI indicou que ele está suspenso provisoriamente de todos os seus "direitos, prerrogativas e funções derivadas de seu cargo de membro de honra do COI". Ele ainda foi afastado da Comissão de Coordenação dos Jogos Olímpicos de 2020, em Tóquio.

Mas as medidas adotadas pelo COI não se limitam ao dirigente. E a máxima entidade olímpica decidiu suspender o próprio COB de toda sua relação com o órgão internacional. "O COB e seu presidente, Carlos Nuzman, foram responsáveis pela candidatura do Rio de Janeiro em 2009. Portanto, o Conselho Executivo do COI toma as seguintes medidas com efeitos imediatos: suspender provisoriamente o COB", justificou o COI em nota oficial distribuída à imprensa.

De acordo com a regra 59 da Carta Olímpica, a suspensão significa que "todos os pagamentos e subsídios do COI para o COB estão congelados". Outra medida adotada é a de que o COB não será autorizado a exercer seus direitos de membro entre as associações de comitês nacionais olímpicos.

Se os dirigentes brasileiros estão sendo punidos, o COI insiste que os atletas não ficarão de fora das competição. "Para proteger os interesses dos atletas brasileiros, essa decisão não afetará os atletas", prometeu. Portanto, o COI "aceitará um time olímpico brasileiro nos Jogos de Inverno de Pyeongchang em 2018 e em todas outras competições sob o guarda-chuva do COB com seus direitos e obrigações".

Essa suspensão será encerrada quando problemas de governabilidade do COB tenham sido resolvidos de "forma satisfatória" e sejam assim considerados pelo COI.

Dinheiro

Conforme a reportagem do jornal O Estado de S. Paulo antecipou em sua edição desta sexta-feira, o COI ainda está suspendendo todos os repasses ao Brasil, inclusive para cobrir o rombo do Comitê Rio-2016.

Para justificar a decisão, o COI aponta que tanto Nuzman como Leonardo Gryner, também preso e que era diretor-geral do Comitê Rio-2016, estavam no comando do Comitê Organizador dos Jogos por "muitos anos". "O COI encerra todas suas obrigações com o Comitê Organizador em dezembro de 2016, como confirmado", disse.

De acordo com a entidade com sede em Lausanne, na Suíça, a contribuição que foi dada pelo COI ao Rio "extrapola de forma significativa suas obrigações contratuais". Na época, o dinheiro - cerca de US$ 1,5 bilhão (aproximadamente R$ 4,7 bilhões) - foi fornecido "considerando a grave crise afetando o país".

"O COI suspende provisoriamente todas as demais relações com o Comitê Organizador", disse a entidade, considerando também que essa suspensão será revista somente quando os problemas de governança sejam resolvidos.
Jamil Chade
Agência Estado
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Presidente do COB é preso pela PF

Carlos Arthur Nuzman e seu braço direito são suspeitos de intermediar compra de votos para eleição do Rio como sede olímpica em 2016

Título coroa renascimento do LEC

A conquista da Primeira Liga recoloca o clube em evidência no cenário nacional e premia o trabalho de recuperação iniciado em 2011

CRISE NO COB

'Enquanto não mudar o sistema, estaremos reféns de pessoas como Nuzman', dispara Elisângela

Medalhista olímpica, a ex-jogadora londrinense afirmou que a corrupção no esporte coloca em risco várias modalidades e dificulta os bons resultados por falta dos recursos desviados; ela também defende a alternância no poder das federações e confederações

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados