VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Cozinha & Sabor
26/05/2017

O delicioso nhoque da discórdia

Versão do tradicional prato italiano, que substitui a batata por abóbora, ganhou os holofotes da mídia após polêmica envolvendo atriz e apresentadora de TV

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Shutterstock
Shutterstock - Nhoque de cabotiá: prato fica mais leve devido ao uso de uma variedade de abóbora menos calórica
Nhoque de cabotiá: prato fica mais leve devido ao uso de uma variedade de abóbora menos calórica


Uma receita inusitada de nhoque de abóbora acabou ganhando os holofotes do País na semana passada após a atriz Thaís Araújo se recusar a degustar a receita preparada pela apresentadora Ana Maria Braga no programa Mais Você, exibido pela Rede Globo. Polêmicas à parte, a versão "abrasileirada" do prato italiano tem arrancado elogios e pedidos de bis de quem tem a oportunidade de prová-la e, ao contrário da artista, não tem restrições quanto à nossa famosa cabotiá.
PUBLICIDADE

Uma das receitas mais famosas do mundo, o nhoque foi criado na Itália ainda no século 17. De acordo com historiadores, o prato seria fruto da criatividade das mammas italianas para contornar a escassez de ingredientes causada pela guerra que o País enfrentava. Com a crise financeira, as famílias mais pobres precisaram dar um jeito de aproveitar o pão velho nas refeições diárias. Dessa forma, a massa do pão era modelada em cilindros e cortada em toquinhos, que depois eram cozidos em água ou em um caldo de vegetais e ossos de galinha. A batata foi a última a entrar na história, pois chegou à Europa apenas no século 18. Com o passar do tempo, até os ricos copiaram a ideia.

Ao ganhar o mundo, o nhoque acabou ganhando versões menos tradicionais. É o caso da versão que no lugar da batata leva cabotiá, troca aprovada por nutricionistas que destacam que além de ser menos calórica a abóbora é mais rica em nutrientes. Culinarista também salientam características positivas da abóbora no preparo de diversos pratos, entre eles, o nhoque. O fato dela virar um purê logo após ser assada é um deles. A dica, de acordo com especialistas, é utilizar a cabotiá assada ao invés de cozida devido à possibilidade de, durante o cozimento, a abóbora acabar ficando muito aguada por absorver líquido.

Em média, a abóbora costuma demorar cerca de 40 a 50 minutos no forno até ficar assada a ponto de poder ser descascada facilmente. Para garantir um nhoque macio e leve, a abóbora mais indicada é a japonesa, também conhecida como cabotiá, que por ser mais seca retém pouca água, exigindo menos adição de farinha para obter uma massa firme e lisa. Outros ingredientes que podem ser usados na preparação do prato são fubá, fécula de batata, azeite de oliva e pimenta do reino.

Nhoque de abóbora


Ingredientes
1 kg de abóbora sergipana descascada, sem sementes e cortada em cubos médios
Sal a gosto
1 gema
½ xícara (chá) de queijo parmesão ralado no ralo fino (50 g)
1 xícara (chá rasa) de farinha de trigo (100 g)
Sal e pimenta-do-reino moída a gosto
Molho de queijo parmesão
2 xícaras (chá) de creme de leite fresco (500 ml)
1 ½ xícara (chá) de queijo parmesão ralado no ralo fino (150 g)
Alecrim picado e pimenta-do-reino moída a gosto

Nhoque
Modo de preparo
Numa assadeira untada com azeite coloque 1 kg de abóbora descascada, sem sementes e cortada em cubos médios, tempere com um pouco de sal e leve ao forno pré-aquecido a 250 ºC por 30 minutos ou até a abóbora ficar macia. Retire os cubos de abóbora do forno e amasse com uma colher. Depois transfira a abóbora amassada para um pano limpo e esprema o excesso de água (não precisa espremer demais), coloque numa tigela e deixe na geladeira para esfriar. Depois do purê esfriar junte 1 gema, ½ xícara (chá) de queijo parmesão ralado no ralo fino, 1 xícara (chá rasa) de farinha de trigo, sal e pimenta-do-reino moída a gosto e misture bem até ficar uma massa lisa. Numa superfície lisa e polvilhada com farinha de trigo coloque um pouco da massa, polvilhe mais farinha de trigo e delicadamente faça rolinhos com as mãos, polvilhando mais farinha de trigo se necessário. Corte os nhoques com uma faca ou espátula e reserve. Vá fazendo os rolinhos e cortando os nhoques com o restante da massa. Coloque os nhoques numa panela grande e com água fervente, quando subirem retire com uma escumadeira e coloque numa tigela com água fria. Depois escorra os nhoques numa peneira e vá arrumando numa assadeira com 1 fio de azeite e reserve. Na hora de servir misture os nhoques cozidos no molho quente, deixe engrossar e sirva.

Molho
Numa panela, em fogo médio, aqueça 2 xícaras (chá) de creme de leite fresco. Quando estiver quase fervendo junte 1 ½ xícara (chá) de queijo parmesão ralado no ralo fino, alecrim picado e pimenta-do-reino moída a gosto e mexa sempre até encorpar um pouco.
*Fonte: anamariabraga.globo.com

Marcos Roman
Reportagem Local
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic