VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Reportagem
09/03/2014

ONG dá respaldo a ciclistas iniciantes

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Um grupo de ciclistas experientes está à disposição para ajudar gratuitamente quem quer aprender a andar de bicicleta na cidade com mais segurança. São os bike anjos, que orientam os iniciantes sobre os melhores trajetos, acompanham-nos nas primeiras pedaladas e ainda ensinam medidas de segurança no trânsito. Tanta dedicação é movida pelo desejo por cidades com mais qualidade de vida e menos carros. Para solicitar o serviço, basta fazer um cadastro no site www.bikeanjo.com.br .
PUBLICIDADE

Em Londrina, o ciclista Alexandre Ferreira Gregório, 37, é um dos voluntários disponíveis para ajudar quem tem vontade de incluir a bicicleta no dia a dia. Na cidade há quase um ano, ele começou a usá-las como meio de transporte quando ainda morava em São Paulo e precisava de uma alternativa mais rápida para chegar ao trabalho. A decisão foi tomada em 2010. Quatro anos depois, ele comemora a melhor disposição física, a perda de peso e uma vida social mais animada graças aos amigos que fez sobre duas rodas. "Tenho habilitação, mas nunca usei".
A iniciativa surgiu da vontade de incluir cada vez mais ciclistas no trânsito. "Já fui iniciante e sei como é difícil", conta. O grande objetivo dos voluntários é passar segurança para que os "alunos" sintam-se à vontade para pedalar sozinhos. Até mesmo quem nunca aprendeu a se equilibrar sobre rodas tem lugar entre o grupo, que está disponível inclusive para ensinar os primeiros passos do ciclismo.
Casado e pai de uma menina de 6 anos, Gregório conta que a família busca usar racionalmente o carro da esposa. "A cultura do automóvel é muito forte. As pessoas compram por status. Acho uma atitude egoísta sair de casa sozinho em um carro". Ele avalia que a falta de educação dos motoristas é o principal empecilho para a convivência pacífica nas ruas.(C.A.)
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

A alternativa que briga por espaço

Repórteres da FOLHA encaram o desafio de se locomover até o trabalho sem usar veículos motorizados e relatam a experiência

Sistema cicloviário é pouco funcional

Além de faltarem vias exclusivas para londrinenses se locomoverem de uma região para outra, as existentes apresentam problemas

Cicloestrutura é barata mas negligenciada

Carros atendem apenas 30% da população, mas são tratados como prioridade nos projetos de mobilidade urbana

A cidade sob um novo olhar

Para estudante que adotou a bicicleta na adolescência, veículo permite outro tipo de convívio com o ambiente urbano

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados