VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Política
19/05/2017

Fachin autoriza abertura de inquérito contra Temer

Supremo vai apurar se o presidente da República cometeu crime de obstrução à Justiça com base na delação premiada dos irmãos Batista, do grupo JBS

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Evaristo Sá/AFP
Evaristo Sá/AFP -
"Não comprei o silêncio de ninguém, porque não temo nenhuma delação premiada", afirmou em tom irritado Michel Temer


Brasília - O ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), autorizou a abertura de inquérito para apurar se o presidente Michel Temer cometeu crime de obstrução à Justiça com base na delação premiada dos irmãos Batista, do grupo JBS.
PUBLICIDADE

Os empresários Wesley e Joesley Batista entregaram aos procuradores uma gravação em que Temer é informado que a JBS mantinha um representante infiltrado na força-tarefa da Lava Jato. Joesley também informa a Temer que estava "segurando" juízes e buscava "trocar" um procurador que estava lhe investigando.

Quando é informado por Joesley que o empresário estava "de bem" com o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, que está preso, Temer responde: "Tem de manter isso, viu?".
Segundo a reportagem apurou, ainda em abril, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, fez consultas a Fachin sobre a possibilidade de investigar Temer.

Quanto um ex-executivo da Odebrecht afirmou em sua delação que o presidente comandou em 2010, quando era candidato a vice, uma reunião em São Paulo em que se acertou o pagamento de US$ 40 milhões de propina, Janot escreveu em despacho que outros citados deveriam ser investigados "com exceção do atual presidente da República, Michel Temer" que "possui imunidade temporária à persecução penal".

Alegou que, pela Constituição, o presidente, na vigência de seu mandato, não pode ser responsabilizado por atos anteriores. A tese, porém, é motivo de controvérsia entre especialistas.

Trecho Temer-Cunha: ouça aqui



Áudio completo: ouça aqui



'NÃO RENUNCIAREI'
No dia em que reconheceu ser o mais difícil desde que assumiu o Planalto, o presidente Michel Temer enfrentou pressão de aliados para renunciar ao cargo, mas decidiu resistir no posto à maior crise política de seu mandato.

Sob cobranças de PSDB e PPS, Temer chegou a avaliar a possibilidade de deixar a Presidência, mas, após ser informado por assessores sobre a íntegra das gravações feitas por Joesley Batista, decidiu fazer um pronunciamento para anunciar que não renunciaria.

"Não renunciarei. Repito: não renunciarei. Sei o que fiz e sei a correção dos meu atos. Exijo investigação plena e que dê muito rápido esclarecimentos ao povo brasileiro. Essa situação de dubiedade não pode existir por muito tempo", declarou Temer.

A avaliação de aliados, que no início do dia vislumbravam uma situação "muito delicada" para o presidente, mudou após a divulgação do diálogo. Para eles, não há uma prova cabal de que ele tenha avalizado a compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).
Estes aliados reconhecem, porém, que o episódio causou um impacto político grande no governo e na imagem do presidente.

No pronunciamento, Temer negou que tenha agido para comprar o silêncio de Cunha e chamou as gravações de "clandestinas".

"Não comprei o silêncio de ninguém, porque não temo nenhuma delação premiada. Não preciso de cargo público, nem de foro especial. Não tenho nada a esconder."



ECONOMIA

O peemedebista ancorou sua permanência no cargo à melhora dos índices econômicos e disse que não se pode "jogar no lixo" todo o trabalho feito pelo seu governo.
"A revelação de conversa gravada clandestinamente trouxe de volta os fantasmas da crise política ainda de proporção não dimensionada. O imenso esforço de tirar o país da recessão pode se tornar inútil. Não podemos jogar no lixo da história tanto trabalho feito ao país", afirmou.

Em reservado, o presidente reconheceu que o episódio "atrapalhou" e "abalou" a recuperação econômica, além de afetar a votação das reformas no Congresso. A equipe do peemedebista também tem medo de que a nova crise política fortaleça ainda mais manifestações populares de "Fora, Temer" e de "Diretas Já".

Na tentativa de evitar o colapso de seu governo, Temer atuou ao longo desta quinta para evitar o desembarque das siglas de sua base aliada. Ele recebeu ministros e líderes de pelo menos sete partidos e conseguiu impedir as demissões do tucano Bruno Araújo (Cidades) e Raul Jungmann (Defesa), apesar de a sigla deste, o PPS, ter anunciado a saída do governo.

As acusações contra o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), próximo a Temer, agravaram a situação do governo. O presidente espera que o aliado assuma sozinho a responsabilidade por ter recebido R$ 500 mil para resolver problemas da JBS. Pessoas próximas a Temer afirmam ter recebido indicações de que Rocha confirmará a versão.

Na avaliação do governo, o menor dos problemas seriam os oitos pedidos de impeachment apresentados pela oposição. Isso porque o presidente da Câmara é aliado ao Planalto e impedirá que eles prosperem.

MANDATO-TAMPÃO
Ao longo do dia, ministros davam como certa a renúncia de Temer e chegaram a discutir dois possíveis cenários de transição. O primeiro, em que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), assumiria por 30 dias e, depois, seria eleito para um mandato-tampão com a manutenção da equipe econômica. No segundo, a eleita seria a presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Cármen Lúcia, mas ainda havia dúvidas jurídicas sobre a viabilidade dessa hipótese.


Folhapress
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

CLÁUDIO HUMBERTO

"Não roubarão nosso País de nós"
Deltan Dallagnol, procurador da Lava Jato, após a denúncia contra Michel Temer

FIM DA ERA TEMER

Maia já discute com técnicos legislativos sobre eleições indiretas

Parlamentares da base aliada afirmam que foi discutida a necessidade de elaborar uma nova lei para "ajustar detalhes" da legislação

'HOMEM DE TEMER'

Psol e Rede preparam pedido de cassação de Rocha Loures

Deputado do Paraná foi citado na delação de Joesley Batista por supostamente ter atuado no Conselho Administrativo de Defesa Econômica em troca de propina

LUIZ GERALDO MAZZA

"Que tal um novo dilúvio, agora de água benta, para a remissão dos nossos pecados?"

Aécio é afastado do cargo de senador e deixa comando do PSDB

Tucano diz que vai se defender da denúncia do MPF de que teria sido gravado pedindo R$ 2 milhões a Joesley Batista, dono da JBS

Lideranças do Paraná defendem renúncia de Temer e criticam Aécio

Políticos paranaenses apontam que não há mais condições para peemedebista permanecer na Presidência; deputado tucano pede a saída de Aécio do partido

ESQUEMA

Joesley diz que 100% do seu negócio 'era com o presidente Michel'

A afirmação do empresário foi feita durante o depoimento em abril, no âmbito de sua delação premiada, no contexto em que Joesley explicava a conversa que teve com o deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) sobre o pagamento de propinas ao grupo do PMDB

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados