VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Mundo
13/09/2017
SETE BRASILEIROS

Furacão Irma: FAB resgata 14 pessoas na Ilha de San Martín

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Já está em solo brasileiro o avião da Força Aérea Brasileira (FAB) que resgatou 14 pessoas que estavam na Ilha de San Martín, no Caribe, durante a passagem do furacão Irma. A aeronave pousou por volta de 1h30 desta quarta (13) em Brasília. Entre os passageiros estavam sete brasileiros, quatro holandeses, dois venezuelanos e um norte-americano.
PUBLICIDADE

Um dos brasileiros que chegou à bordo do avião presidencial VC-2, da Embraer, foi o paulista Ricardo Passarelli, que morava na ilha há mais de um ano. Por meio de nota divulgada pela FAB, Passarelli disse que 95% do local ficou destruído com o desastre ocorrido no dia 6 de setembro. O teto da casa em que ele morava foi destruído. O hotel onde ele ficou hospedado, que contava com um bunker subterrâneo, ficou com água até as canelas.

Em relato divulgado pela FAB, Passarelli diz que foram grandes as dificuldades para deixar a ilha, e que só aeronaves militares tinham condições de pousar na região. O saguão do aeroporto foi destruído. Com isso foi necessário montar tendas para que as pessoas tivessem condições de aguardar os voos. "Onde o furacão passou, derrubou tudo", disse o paulista.

Morador há nove meses da Ilha de São Martinho, o paranaense Helton Laufer também estava entre os passageiros da aeronave. Graças as facilidades que tinha de acesso a sistemas de comunicação, ele pôde ajudar outras pessoas a se comunicarem com o Itamaraty. Com isso foi possível às autoridades brasileiras, mapear necessidades de apoio e acionar as estruturas governamentais necessárias para que a missão de regate fosse cumprida.

Segundo ele, o desastre ficou maior porque, apesar dos avisos feitos pelas autoridades locais, muitas pessoas se recusaram a evacuar a ilha por acharem que o furacão não causaria tantos estragos. "O brasileiro não tem experiência com esses fenômenos. Pensamos que se todos estavam ficando na ilha, poderíamos ficar também. Se soubéssemos o quão forte seria, teríamos ido embora antes", disse Helton por meio da nota divulgada há pouco pela FAB.

Em meio ao caos, foi impossível para muitas pessoas acessarem a serviços bancários, o que inviabilizava também as viagens comerciais. Nesse sentido, acrescentou o brasileiro, a ajuda da FAB foi essencial. Para piorar, a falta de energia elétrica comprometeu o funcionamento do controle de tráfego aéreo, que acabou sendo coordenado por militares norte-americanos.

Segundo o Itamaraty, o governo brasileiro havia identificado pouco mais de 60 brasileiros nas ilhas caribenhas de São Martinho, Tortola (uma das Ilhas Virgens Britânicas) e Turcas e Caicos (também sob a soberania britânica), e que nessas localidades apresentaram situação de colapso total ou parcial da infraestrutura de transportes, comunicações e abastecimento.

Alguns brasileiros já receberam apoio ou foram retirados das ilhas graças à cooperações internacionais. Além disso, está sendo providenciada a retirada daqueles que se encontram em territórios britânicos, em coordenação com o governo do Reino Unido, pois a pista do aeroporto de Tortola não permite aterrissagem nas condições atuais.

*Colaborou a Repórter Andreia Verdelio
Pedro Peduzzi
Agência Brasil
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Vítimas do Irma no Caribe sofrem com devastação, falta de alimento e água

Passagem do furacão pela região deixou milhares de desabrigados; turistas ainda tentam sair de Saint Martin

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados