VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Geral
10/10/2013

Terminal segue sem data para inauguração

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois
Olga Leiria

Londrina - Depois de ser adiada duas vezes somente neste ano, a inauguração do Terminal de Transporte Coletivo da Zona Oeste de Londrina segue sem data definida para ocorrer. A obra segue em ritmo lento e causa transtorno para moradores e comerciantes vizinhos. O diretor da empresa Transporte Coletivos Grande Londrina (TCGL), Gildalmo Mendonça, justificou que as chuvas e uma mudança no projeto inicial exigida pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Londrina (Ippul) atrasaram a entrega do novo terminal.
PUBLICIDADE

Mendonça preferiu não dar previsão de prazo de inauguração, mas disse que "em breve" o espaço localizado no canteiro central da Avenida Leste-Oeste, no Jardim do Sol, deve começar a receber 15 linhas de ônibus e beneficiar 20 mil usuários diariamente na integração das regiões oeste, norte e sul.
"Com as chuvas, o trator e o caminhão não conseguiam entrar no terreno para fazer o aterro necessário. Agora, com o tempo firme, o ritmo vai acelerar", garantiu. Cerca de 80% da obra está concluída. Segundo ele, faltam apenas asfalto, pintura e iluminação.
O auxiliar de produção Claudinei da Silva, de 28 anos, contou que, além de não ter um lugar apropriado para embarcar no ônibus, a obra coloca em risco os pedestres que passam pelo trecho. "Quando chove, a terra vermelha invade a calçada, que fica intransitável. Para seguir adiante, temos que disputar espaço com os carros nesta avenida perigosa", reclamou. O construtor Antônio José Pereira, de 60 anos, morador no Jardim do Sol, não vê a hora de poder usar o terminal. "Teremos mais conforto, mais segurança", argumentou.
A construção do terminal está prevista desde 2004 como parte da contrapartida da TCGL pela renovação do contrato de concessão do serviço. Em janeiro daquele ano, o Município firmou o contrato por 15 anos com a empresa. Os termos da "concessão onerosa" previam a adoção de bilhetagem eletrônica, instalação de elevador e escada rolante no terminal central e 640 pontos de ônibus na cidade pela empresa vencedora da licitação. Todas as exigências foram cumpridas, com exceção do terminal, que já consumiu mais de R$ 2 milhões. A reportagem procurou a Secretaria de Obras para comentar o assunto, mas não obteve resposta até o fechamento da edição.
Celso Felizardo
Reportagem Local
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

MP ajuiza ação contra 14 médicos do HU

Profissionais teriam fraudado batidas no cartão ponto do hospital e recebido sem trabalhar

Kogut é o novo comandante da PM

Coronel, que comandava o 2º Comando Regional Norte em Londrina, substitui Roberson Bondaruk

Produção de alimentos precisa aumentar 70%

País é considerado líder mundial em potencial de crescimento produtivo alimentar

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados