VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Geral
09/11/2017
GANHOU A INTERNET

No Youtube, presos denunciam más condições da cadeia de Cambé

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Detentos da cadeia pública de Cambé (Região Metropolitana de Londrina), que, ao longo do mês de outubro, conviveu com fugas e tentativas, gravaram dois vídeos retratando a superlotação do espaço. São 190 pessoas em um espaço destinado para 32. "A gente não tá negando os nossos erros, mas é impossível ficar aqui", afirmam os presos no Youtube.
PUBLICIDADE







"Tá lotado! Tá lotado!", dizem os detentos, que indicam a falta de espaço gesticulando com os dedos. "Nóis quer apenas os nossos direitos", explicam. De acordo com o vice-presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do Paraná (Sidepol), Ricardo Casanova, salientou que a cadeia de Cambé é "um barril de pólvora, prestes a explodir a qualquer momento"."A única instituição que não tem nada a ver com essa questão é a polícia. Esse é um assunto que o Estado teima em não resolver", criticou.

O coordenador estadual do Movimento Nacional dos Direitos Humanos (MNDH), Carlos Santana, reforçou as críticas. "São promessas em cima de promessas. Não vemos nada sair do papel".

A reportagem entrou em contato com o delegado de Cambé, Roberto Fernandes de Lima, para esclarecer como os celulares entraram nas celas e como os detentos tiveram acesso à internet, mas não houve retorno até o fechamento da matéria.

Procurada pela reportagem, a assessoria de imprensa do Departamento Penitenciário do Paraná (Depen) respondeu por meio de uma nota oficial:

A Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná, assim como a direção da Polícia Civil e do Departamento de Execução Penal (Depen), estão cientes do problema de superlotação nas carceragens das delegacias do Estado. Importante salientar que já houve avanços: no início de 2011 a Polícia Civil gerenciava em torno de 14 mil presos e hoje o número é de aproximadamente 9,5 mil.

A solução para o caso de superlotação são as 14 obras de construção e ampliação de unidades prisionais. Serão abertas cerca de 7 mil novas vagas.

Uma delas é a Casa de Custódia de Londrina, que terá capacidade para abrigar 752 presos.

Importante explicar que a transferência de presos para o sistema prisional depende da autorização do Comitê de Transferência de Presos (Cotransp) local.

Rafael Machado
Grupo Folha
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO
A CIDADE FUTURA

Os caminhos do silêncio

Obter mais objetos, contratar novos serviços, ter em mãos a última das quinquilharias, essas ilusões se converteram numa nova espécie de divindade.

CRIMINALIDADE

A cada minuto, um veículo é furtado ou roubado no Brasil

No Paraná, ladrões levaram 90 veículos por dia em 2016; números fazem parte do 11º Anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública

JARDIM LEONOR

Colégio Militar de Londrina abre as portas no início de 2018

Pais, mães, alunos e representantes da comunidade escolar estiveram em Curitiba nesta quarta-feira (8) para conhecer a estrutura e a metodologia de ensino

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic