VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Geral

Muita terra e pouca água

Concluído há um ano e sem recursos previstos, estudo de desassoreamento do Lago Igapó não sai do papel

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Anderson Coelho
Anderson Coelho


Um dos principais cartões-postais da cidade, o Lago Igapó sofre com o progressivo assoreamento. A quantidade de terra e resíduos acumulada é tão grande que, em alguns trechos, a lâmina d’água não passa dos 30 centímetros de profundidade. Há um ano, o Instituto das Águas do Paraná concluiu um estudo para a limpeza e desassoreamento das quatro divisões do lago ao custo mínimo de R$ 3 milhões. Porém, sem recursos previstos, não há prazo para que o estudo saia do papel.
PUBLICIDADE

A Secretaria Municipal do Ambiente (Sema) informa que um levantamento mais complexo de toda a bacia do Ribeirão Cambé segue em curso para mapear os pontos de emissão de sedimentos. O diretor técnico da Sema, Thiago Augusto Domingos, ressalta que fazer o desassoreamento sem conter novas emissões é uma medida paliativa com resultados de pouca duração. "Nosso objetivo macro é identificar e evitar que mais sedimentos sejam despejados no lago. Isso envolve uma série de fatores que vai da fiscalização à conscientização", argumenta.
Pelo levantamento do Instituto das Águas, o Lago Igapó possui 321 mil metros cúbicos de sedimentos, entre areia fina, silte (fragmento de rocha) e argila. O estudo aponta, ainda, que o Lago 2 é o mais assoreado, com 99 mil m³ de sedimentos em 171 mil m² de área total, seguido pelo Igapó 3, com 18 mil metros cúbicos de resíduos em 45 mil m² de área. O Lago 4 aparece na sequência, com 4 mil m³ de sedimentos em 13 mil m² de área. Já o Igapó 1 tem área total de 420 mil m² e 110 mil m³ de material.
Ao longo de 57 anos de existência, o Lago Igapó foi esvaziado cinco vezes. A primeira ocorreu nos anos 1970, em um plano de limpeza da gestão do prefeito à época, Dalton Paranaguá. Na década seguinte, foram realizadas duas grandes limpezas no lago. Há 20 anos, na gestão de Luiz Eduardo Cheida, o objetivo do esvaziamento foi combater os esgotos clandestinos. Por fim, em 2001, o então prefeito Nedson Micheleti esvaziou o Lago 2 para reparos na ponte da Avenida Higienópolis. O desassoreamento prometido, no entanto, não foi concluído.

ALTERNATIVAS PARA LIMPEZA
O estudo aponta três alternativas para a limpeza do lago. A primeira delas, mais barata (R$ 3 milhões) prevê o esvaziamento do lago e a retirada da terra por caminhões. A desvantagem é o grande impacto ambiental. A segunda, eleita a mais viável pelo Instituto é a drenagem convencional, com dragas a sucção e recalque. Para essa técnica, seriam necessários 12,5 milhões. A terceira opção, dragagem com depósito em tubos geotêxtil foi considerada inviável pelo alto custo, cerca de R$ 27 milhões.
Fernando de Barros, mestre em Engenharia de Edificações e Saneamento, explica que o Igapó é alvo de dois tipos de poluição: a difusa, que são todos os resíduos jogados nas ruas e que são levados pelas galerias pluviais; e a pontual, na qual se enquadram as emissões de terra por construções. "Apesar de a poluição pontual ter sido responsável pela maior parte do assoreamento, é preciso atenção especial nos dois casos, o que envolve também a questão da conscientização de cada cidadão. Todos nós somos responsáveis", analisa.
Segundo ele, as leis ambientais evoluíram bastante, mas a fiscalização não dá conta de atender todos os casos de desrespeito. "Apesar de temos uma boa legislação, a fiscalização se torna difícil. Por melhor que seja, não consegue dar conta da demanda. Então, a conclusão que se chega é que a solução é realmente investir na conscientização, na educação ambiental". Barros se diz esperançoso quanto ao futuro do Lago. "Antigamente, a gente não se dava conta do problema, pois não se falava em danos ambientais. A tendência é que as novas gerações, com uma mentalidade muito mais evoluída, preserve nosso cartão-postal por muitos anos".
O vice-presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Norte do Paraná (Sinduscon Norte PR) Rodrigo Zacaria destaca que a grande maioria das infrações à legislação ocorrem em obras não profissionais. "Existem muitas obras sem um engenheiro em que o cidadão acumula terra, areia na calçada e, fatalmente, esse material vai ser levado pela chuva para dentro das galerias", relata. "Na construção de um prédio, por exemplo, há a escavação do subsolo. Toda a terra é retirada por caminhões e o que fica não escorre, porque fica abaixo do nível da rua", diferencia.
No momento em que se aproxima a sucessão ao Executivo municipal, a preocupação com os cursos hídricos está presente nos planos de governos dos oito candidatos. O desassoreamento, de forma específica, em apenas três. O aposentado Osmar Galhardi, de 62 anos, morador no Jardim Santa Rita 5 (zona norte), defende que a revitalização do Igapó deve ser prioridade entre as metas ambientais do próximo prefeito. "Já peguei muito peixe aqui, hoje trago a vara só por teimosia. Acho que o povo merece um espaço de lazer melhor cuidado", opina.
Celso Felizardo
Reportagem Local
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Piloto morre em acidente aéreo em feira em Maringá

Luiz Dell Aglio tinha mais de 16 mil horas de voo de alta performance para acrobacias

Elegia das casas de madeira

Diante do velho bar, eu agradeço por poder enxergar.

TRÊS MESES APÓS RESGATE

Traficante Fat Family é morto em operação policial

Homem que foi resgatado de hospital em junho morreu após ser baleado em meio a uma ação contra o tráfico de drogas, em São Gonçalo, no Rio

SINDICALISMO

Basta de greves com data marcada!

A população não suporta mais ser refém dos sindicatos cutistas

DIA D

Após 17 dias de greve, bancários e banqueiros têm nova negociação amanhã

Nos últimos 12 anos, a categoria conseguiu aumento real acumulado, entre 2004 e 2015, de 20,85% e 42,1% no piso

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic