VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Geral
10/11/2017
PROBLEMAS DE SAÚDE

Ex-trabalhadores de Londrina vão cobrar indenizações por amianto

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Ex-funcionários e familiares de trabalhadores expostos ao amianto na antiga fábrica da Infibra, em Londrina, realizam assembleia neste sábado (11) para debater o ajuizamento de uma ação civil pública contra a empresa, que fechou as portas em 2003. Reconhecidamente cancerígeno pela OIT (Organização Internacional do Trabalho), o amianto também causa outras graves doenças respiratórias e tem feito muitas vítimas entre pessoas que trabalharam nas fábricas de telhas, caixas d´água, divisórias e freios de automóveis brasileiras.

Shutterstock
Shutterstock

PUBLICIDADE

Trabalhadores expostos ao produto e familiares de pessoas que já faleceram vão cobrar na Justiça a indenização pelo adoecimento e até a morte resultante do contato com o produto. É o caso da coordenadora da filial de Londrina da Abrea (Associação Brasileira dos Expostos ao Amianto), Márcia Rodrigues Gamba, cujo pai, Luiz Rodrigues de Souza, trabalhou na empresa de 1985 a 2003 e, dez anos depois, morreu vítima de asbestose, uma doença respiratória causada pelo amianto. "A ação coletiva é relativa aos prejuízos à saúde dos expostos ao amianto e prevê também indenizações a familiares de pessoas que morreram em função das doenças", diz.

No Paraná, conforme apurado em reportagem da FOLHA publicada em 18 de agosto, 16 mil trabalhadores foram expostos ao amianto nas últimas décadas, sendo pelo menos 500 deles funcionários da antiga Infibra, em Londrina. Conforme informações da Abrea, a antiga fábrica de Londrina tinha como sócio um grupo empresarial que tem sede na cidade de Leme, no interior paulista, e que não usa mais o mineral.

LEIA MAIS
Vítimas do amianto pedem por mais vida

As doenças do amianto são insidiosas e têm um longo período de latência, isto é, podem se manifestar até mais de 50 anos após o primeiro contato. Entre as doenças há a asbestose e placas pleurais no grupo das não malignas e diversos tipos de câncer, principalmente o de pulmão e o mais temido deles todos, chamado de mesotelioma ou o câncer do amianto. É um tumor raro, incurável e intratável.

Em Londrina, o ambulatório de doenças ocupacionais respiratórias do HC (Hospital das Clínicas) da UEL (Universidade Estadual de Londrina) já examinou mais de 200 trabalhadores expostos ao amianto na cidade. Conforme informações da Abrea, já existe uma vítima do mesotelioma maligno de pleura (membrana que reveste o pulmão) entre os ex-empregados da Infibra examinados.

SERVIÇO

Assembleia da Abrea em Londrina
Data: 11/11/2017, às 14 horas
Local: Salão Paroquial São José Operário à Rua Ruy Virmond Carnascialli, 486 – Jardim Leonor
Mais informações podem ser obtidas em www.abrea.org.br
Carolina Avansini
Reportagem local
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO
DEIXAR DESATIVADA

Rebelião em penitenciária de Cascavel deixa pelo menos um morto

Três agentes foram feitos reféns, segundo sindicato; não houve fugas e PM permaneceu no entorno do presídio

Só uma palavra me devora

A infeliz frase de William Waack e a feliz virtude do perdão

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic