VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Geral
15 ANOS DEPOIS...

Daniel Cravinhos, ex de Suzane von Richthofen, deixa a prisão

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Condenado a 39 anos de prisão pela morte do casal Manfred e Marisa von Richthofen, em 2002, Daniel Cravinhos deixou a Penitenciária de Tremembé (SP) nesta terça-feira, 16, para cumprir o restante da pena em liberdade.
PUBLICIDADE

É o segundo dos irmãos Cravinhos a progredir para o regime aberto - Christian, condenado pelo mesmo crime, está em liberdade desde agosto do ano passado. À época do crime, Daniel era namorado da filha do casal, Suzane von Richthofen, também acusada pela morte dos pais. Ela cumpre pena em regime semiaberto, mas já teve laudo favorável para também deixar a prisão.

A saída de Daniel Cravinhos para o regime aberto foi autorizada pela Vara de Execuções Criminais de Taubaté (SP), atendendo a um pedido da sua defesa. A alegação é de cumprimento do tempo legal de prisão nos regimes fechado e semiaberto, sem incorrer em falta grave e com registro de bom comportamento. Ele cumpriu 16 anos de prisão e ganhou direito a outros dois anos de desconto na pena por ter trabalhado na cadeia.

Além disso, um laudo atestou que o condenado está em condições de viver em sociedade. A saída de Daniel Cravinhos da prisão foi confirmada por autoridades da administração penitenciária paulista.

A Justiça ainda deve julgar o pedido da Defensoria Pública de Taubaté, que atende Suzane, para que ela também seja colocada em liberdade. Conforme a Defensoria, a condenada já cumpriu o tempo previsto para permanecer na prisão e também tem direito a um período de remissão por ter trabalhado na penitenciária. No início deste ano, um laudo criminológico encomendado pelo Ministério Público atestou que a condenada reúne condições de voltar a viver em sociedade.
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
José Maria Tomazela
Agência Estado
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Anvisa aprova novas regras para exposição de cigarros

Comerciantes não poderão colocar nenhum recurso de marketing adicional, como cores, sons ou iluminação direcionada em vitrines

Indenizações por morte no trânsito crescem 24%

Seguro DPVAT fez 37,4 mil pagamentos em todo o País entre janeiro e novembro de 2017; Paraná é o terceiro no ranking nacional, com 2,8 mil casos

ALERTA

Chuvas diárias demandam cuidados redobrados com a dengue

Temperaturas elevadas e maior chance de acumular água parada podem facilitar o desenvolvimento do mosquito. No Paraná, a situação está sob controle, mas os cuidados não devem parar

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic