VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Domingo, 28 de Maio de 2017
Geral
19/04/2017

Advogados de GM questionam distribuição de inquéritos

Defesa de Ricardo Felippe quer que procedimento referente ao triplo homicídio fique a cargo da 1ª Vara Criminal

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Gustavo Carneiro
Gustavo Carneiro -
"Embora os casos tenham algum tipo de relação, as pessoas não tinham ligação profunda entre si", defendeu o advogado Lucas Pünder (à esq.)


Os advogados do guarda municipal Ricardo Leandro Felippe, indiciado por matar três pessoas e balear outras duas no dia 3 de abril, em Londrina, questionaram a distribuição dos inquéritos na Justiça. De acordo com o advogado Lucas Pünder, o inquérito referente ao triplo homicídio, que na visão dele, deveria ser encaminhado à 1ª Vara Criminal, que julga crimes contra a vida, acabou se juntando a outros dois inquéritos que apuram agressões às ex-companheiras na 6ª Vara Criminal - Maria da Penha.

"Embora os casos tenham algum tipo de relação, as pessoas não tinham ligação profunda entre si", defendeu o advogado. Os inquéritos foram concluídos pela Polícia Civil na quarta-feira (12). Sem negar a autoria dos crimes, os advogados expuseram atestados de problemas de saúde mental do cliente. Pünder apresentou documentos sobre o histórico de saúde de Felippe. "Ele tem vários atestados médicos por distúrbios psicológicos. Existe um histórico em questão que não justifica os crimes, mas que precisa ser levado em conta", argumentou.

De acordo com o advogado, só um profissional capacitado poderá avaliar a sanidade do cliente. "Encontramos paralelos em outros casos no País em conversas com neurologistas e até mesmo em literatura. Sobre os três inquéritos, Pünder diz que Felippe nega a agressão à Rachel. Já em relação à mulher com quem o agente convivia, Pünder alegou ter ocorrido uma "agressão mútua" no dia anterior aos homicídios.

O advogado disse que a defesa vai trabalhar para tentar esclarecer as motivações e o nível de consciência do guarda municipal durante os crimes. "É preciso ser levado em conta que ele foi casado por 19 anos sem nenhum tipo de problema deste tipo. Inclusive, deste primeiro relacionamento, ele tem três filhos que também sofrem com a situação", declarou.

O delegado-chefe da 10ª Subdivisão Policial de Londrina, Osmir Ferreira Neves, disse que a intenção do acusado de cometer os crimes contra mulheres explica o encaminhamento do inquérito à Vara Maria da Penha. No entanto, o delegado informou que o documento passará por uma apreciação inicial e que é a Justiça que definirá a destinação. "Fizemos a investigação e entregamos o inquérito ao Ministério Público. Mais que isso não posso comentar, pois foge das minhas competências", informou o delegado. O promotor Ronaldo Costa Braga, que analisa o inquérito policial, não foi encontrado para conceder entrevista.
Celso Felizardo
Reportagem Local
Continue lendo
10
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralReportagemCozinha & Sabor
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados