VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Folha Rural
17/06/2017

Testes na região de Londrina apontam potencial

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Fotos: Anderson Coelho
Fotos: Anderson Coelho - Os testes feitos em propriedade na Warta, mesmo com a baixa taxa de sobrevivência, deixou produtores animados com o cultivo do camarão-da-malásia
Os testes feitos em propriedade na Warta, mesmo com a baixa taxa de sobrevivência, deixou produtores animados com o cultivo do camarão-da-malásia

Em Londrina e na região Norte do Estado, o engenheiro de pesca da Emater, Luiz Eduardo Sá Barreto, o Lula, explica que o trabalho com os camarões de água doce já foi realizado entre 2004 e 2005, mas foi justamente a dificuldade de acesso às pós-larvas que fez o projeto parar.
PUBLICIDADE

Agora, neste início de ano, quatro propriedades nas cidades de Cambé, São João do Ivaí, Assaí e Sertanópolis receberam as pós-larvas da Lacqua, de Palotina, para alguns testes junto a empresas e produtores que já atuam com outros peixes em tanque escavado. "Não vemos o camarão como a atividade principal, porque a produtividade é baixa, mas como complemento da criação do peixe. A ideia dos testes retoma agora para ampliar a produção comercial mas também em pequenas propriedades como alternativa alimentar", explica Lula.

Na fazenda Santa Olímpia, na Warta, o frigorífico Smartfish ficou responsável pelos testes com as pós-larvas. Depois de 142 dias de cultivo entre janeiro e maio, a despesca foi de 44 quilos, com média de 30 gramas por animal. "A taxa de sobrevivência acabou ficando baixa, em torno de 27%. O ideia era que girasse em torno de 60 a 70%", explica Henrique Fernandes Martins, técnico da Smartfish.


"Não vemos o camarão como a atividade principal, mas como complemento da criação do peixe", diz o engenheiro de pesca Luiz Eduardo Sá Barreto


O pessoal da empresa não consegue saber exatamente qual problema que gerou a baixa taxa de sobrevivência, mas mesmo assim Martins se mostrou satisfeito com os resultados. "O manejo também se mostrou tranquilo junto com a tilápia e a alimentação é feita apenas para o peixe, sem nada especial. A grande questão é que é necessário tirar os animais antes da frente fria, o ideal era entrar para a engorda entre outubro e novembro, mas no nosso acaso acabou entrando em janeiro devido ao atraso do recebimento das pós-larvas".

Por fim, o técnico explica que a produção de camarões de água doce pode ser viável sim para os produtores de tilápia. "Não há o valor de ração para embutir nas despesas, que hoje envolve 70% dos custos de produção. As pós-larvas também não são caras. Por fim, se a gente melhorar a taxa de sobrevivência, é uma boa opção para diversificar a propriedade". (V.L.)


Victor Lopes
Reportagem Local
NOTÍCIAS RELACIONADAS
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Cristais minerais

"Suas cores, formas, brilhos e transparências são diferentes porque dependem de sua composição o que resulta em suas características"

174 milhões de hectares de mata preservada estão em áreas privadas

Em todos os Estados, os agricultores preservam mais do que a lei exige, aponta estudo da Embrapa

Agronegócio Responsável - De volta a um passado indesejado

"O Plantio Direto não é capaz de responder pela proteção do solo sozinho, temos que trabalhar junto com as práticas mecânicas de controle da enxurrada, como os terraços e as curvas de nível"

PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados