VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Folha Rural
16/09/2017

Preço do leite despenca 23,3% no último ano

Menor poder de compra do consumidor brasileiro segue desaquecendo o mercado; aumento da oferta também influenciou a diminuição dos preços no campo

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Gina Mardones/06-07-2016
Gina Mardones/06-07-2016 - O movimento de queda no preço do leite recebido por produtores foi mais intenso em agosto
O movimento de queda no preço do leite recebido por produtores foi mais intenso em agosto


O movimento de queda no preço do leite recebido por produtores se intensificou em agosto. Segundo cálculos do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/USP), na "média Brasil" (inclui BA, GO, MG, SP, PR, SC, RS), o preço líquido (que não considera frete nem impostos) recuou 8 centavos o litro (-6,38%) frente a julho, fechando a R$ 1,15/litro. Este é o menor patamar, em termos reais, desde abril do ano passado. Se comparado com agosto, a baixa é de 23,34%, também em termos reais.
PUBLICIDADE

O recuo na cotação do leite no campo continua ocorrendo em razão da demanda enfraquecida por lácteos na ponta final da cadeia. Uma vez que o consumo de lácteos está diretamente relacionado ao aumento da renda, o menor poder de compra do consumidor brasileiro segue desaquecendo o mercado.

De acordo com pesquisas do Cepea que monitoram os preços dos lácteos negociados entre indústria e atacado no Brasil, promoções têm sido frequentes para tentar manter o fluxo de vendas e evitar formação de estoques. Dessa forma, os preços do leite UHT e da muçarela, os derivados mais consumidos no País, se desvalorizaram 5,4% e 3,2% de julho para agosto, respectivamente.

Além do baixo consumo, o aumento da oferta também influenciou a diminuição dos preços no campo. A captação de leite pelas indústrias se elevou em 4,4% de junho para julho, de acordo com o Índice de Captação de Leite (ICAP-L). Todos os estados, com exceção de Goiás, apresentaram alta, devido às condições climáticas não muito adversas e aos patamares atrativos dos preços da silagem, o que favorece a produção.

Segundo pesquisadores do Cepea, os preços no campo nos próximos meses vão depender, principalmente, da demanda e das condições climáticas. O recuo da taxa de desemprego no trimestre terminado em junho dá sinais de uma possível reação do consumo. Já no que diz respeito às condições climáticas, o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) apontou águas mais frias no Oceano Pacífico e a possibilidade de o fenômeno La Niña atingir o Brasil nos próximos meses. Assim, as chuvas devem retornar mais tarde, apenas no final de outubro. Para o pecuarista, a estiagem diminuiria a qualidade das pastagens e afetaria a produção. Ao mesmo tempo, para o agricultor, o plantio do milho é prejudicado, o que pode influenciar na precificação da ração do gado, resultando em menor produção leiteira.

Em 2015, o Paraná produziu 4,66 bilhões de litros de leite, ultrapassando o Rio Grande do Sul e se tornando o segundo maior produtor do país. No mesmo ano, os gaúchos alcançaram 4,59 bilhões de litros, ficando na terceira posição. Santa Catarina somou 3,05 bilhões de litros. A liderança do ranking nacional é de Minas Gerais, com produção de 9,14 bilhões de litros.

Faep assume Aliança Láctea
Obedecendo o sistema de rodízio, a Faep (Federação de Agricultura do Estado do Paraná) reassumiu a coordenação da Aliança Láctea Sul Brasileira, que reúne entidades públicas, inclusive as secretarias estaduais da Agricultura, indústrias e produtores dos três estados da Região Sul. A entidade, criada há três anos, desenvolve ações para tornar o setor ainda mais competitivo, além de padronizar a assistência técnica, capacitação e a sanidade, visando a qualidade do leite.

O coordenador da Aliança Láctea até outubro de 2018 será Ronei Volpi, como representante da Federação. Anteriormente, a Farsul (Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul) estava no comando da entidade.

De acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), relativo ao ano de 2015 (informações mais recentes disponíveis), Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina produziram, juntos, 12,3 bilhões de litros de leite. A região ficou à frente das demais do País. "Isso representa 35% do leite produzido no Brasil. Os três Estados têm uma produção superior a da Argentina. E, no curto espaço de tempo, nossa expectativa é superar a Argentina e Uruguai juntos", destaca Volpi.

Ao longo do próximo ano, segundo Volpi, as prioridades da entidade serão trabalhar a melhoria da qualidade do leite, a promoção da segurança alimentar dos consumidores, o cuidado com o rebanho e a sustentabilidade do setor, por
meio do fortalecimento de todos os elos da cadeia produtiva. "São mais de mil indústrias e mais de 200 mil produtores envolvidos na atividade na região Sul. Vamos continuar investindo em genética, bem-estar animal, sanidade e tecnologia, dentro e fora da porteira", ressalta o coordenador.(Reportagem Local)
Reportagem Local
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Os imigrantes japoneses

"Eram comunidades ativas, cada uma tinha sua escola, campo de beisebol, clube social bem atuante, onde realizavam festas para motivar a colônia e preservar suas raízes e costumes"

Trigo: tempo ajuda na colheita, já a comercialização...

Mesmo com quebra na safra, comercialização deve ficar abaixo dos custos de produção, com valor da saca estimado em R$ 38

Agronegócio Responsável

Agradecido, o Brasil está preparado para aumentar a produção e atender essa esperada demanda adicional, quando ela vier

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados