VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Folha Rural
18/03/2017

Maracujá saudável, agricultor tranquilo

Nova forma de produção de maracujá com replantio após um ciclo está em teste no Estado para solução ao vírus do endurecimento dos frutos

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Os produtores paranaenses testam uma nova forma de manejo na produção de maracujá para diminuir a incidência da virose do endurecimento dos frutos, que se espalhou pelo Estado nos últimos cinco anos e veio para ficar. O Instituto Agronômico do Paraná (Iapar) coordena uma pesquisa para analisar a viabilidade técnica e econômica do "Modelo de Um Ciclo com Muda Grande", que envolve o desenvolvimento de plantas em estufas e a erradicação da lavoura por 30 dias após a safra, semelhante ao vazio sanitário da soja.
PUBLICIDADE

A doença é causada por um vírus, transmitido por pulgões, que deforma folhas e frutos, deixa a casca do maracujá rígida e diminui a quantidade de polpa, acabando com a vida econômica do pomar. A proliferação pelo País ocorre desde os anos 1990 e fez com que muitos agricultores desistissem da cultura. Para se ter uma ideia, o auge da cultura foi em 2010, com 62,177 mil hectares colhidos e produção de 922,334 mil toneladas (t), mas diminuiu ano a ano até chegar a 50,837 mil e 694,539 mil t em 2015. Os números são da Produção Agrícola Municipal (PAM) de 2015, último levantamento do tipo divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A solução, encontrada por meio de pesquisas feitas em áreas produtoras no interior paulista e que servem de base para o Iapar, foi remodelar a cultura. No sistema tradicional, os produtores plantavam mudas pequenas, normalmente em setembro, e colhiam a partir de março do próximo ano. Os pés eram mantidos nos estaleiros por até três ciclos, quando era necessário substituí-los por novos.



No novo modelo, as mudas são desenvolvidas por 180 dias em estufas, até ficarem com tamanho entre 1,5 e 2 metros. Colocado no campo em janeiro, o maracujazeiro fica exposto ao pulgão por apenas 60 dias até começar a dar frutos, o que permite a produção mesmo com sintomas da virose. Contudo, é necessário erradicar todas as plantas em agosto, com o campo limpo por 30 dias, para reduzir a proliferação da doença. E começar o plantio novamente.



O problema é que nem sempre o produtor entende a necessidade de ter um vazio sanitário e de eliminar plantas que ainda podem dar frutos, além de ter o custo de comprar e transportar mudas maiores, caso ele não tenha uma estufa na propriedade. Mesmo assim, técnicos do Iapar e do Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) defendem o modelo, por garantir a renda da plantação, que chega a uma média de R$ 30 mil ao ano em um quarto de hectare e é ideal para a agricultura familiar.

Como o estudo começou em julho de 2016, no Paraná, o líder do Programa de Pesquisa em Fruticultura do Iapar, Pedro Auler, na unidade de Paranavaí (Noroeste), afirma falta o fechamento dos dados econômicos, o que deve ocorrer somente em julho. São três unidades acompanhadas, em Paranavaí, Umuarama e Japurá, com convênios com a Cooperativa Agroindustrial de Produtores de Corumbataí do Sul e Região (Coaprocor) e com o projeto do governo estadual Frutas do Arenito, além de parceria com o Emater.

Divulgação
Divulgação - O pesquisador Pedro Auler (com prancheta na mão)
O pesquisador Pedro Auler (com prancheta na mão) "Depois que identificar a doença, ou o produtor adere ao modelo (de um ciclo) ou não funciona mais"


No aspecto técnico, contudo, Auler defende a eficiência do modelo. "Muitas vezes o pessoal tem um segundo ciclo mais produtivo e quem não tem a doença, hoje, pode até permanecer com a mesma planta. Mas depois que identificar a doença pela primeira vez, ou adere (ao modelo de um ciclo) ou não funciona mais", diz o pesquisador do Iapar, que conta que o vírus já se instalou em todas as regiões do Estado.

A pesquisa também proporcionará a revisão da tecnologia usada no plantio, no Paraná, como soluções para a bacteriose, tratável de forma biológica ou química. "Depois dessa fase é que começará o incentivo do modelo aos produtores", completa Auler.
Fábio Galiotto
Reportagem Local
NOTÍCIAS RELACIONADAS
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

A praça ficou sem o pipoqueiro

"Que pena me deu a morte do pipoqueiro! (...) O que me deixou mais triste foi não poder lembrar seu rosto que deveria transmitir alegria, bondade, fidelidade, amor ao próximo, profissionalismo, humildade, serviço"

Produção de soja em debate

Os avanços da última safra e os problemas ocorridos, além de subsidiar a programação de pesquisa e de transferência de tecnologias integram a 36a Reunião de Pesquisa de Soja, que está com inscrições abertas

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic