VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Quarta-feira, 22 de Fevereiro de 2017
Folha Mais
07/01/2017

O valor do ócio

Psicólogo defende que os "momentos de fazer nada" são fundamentais para a saúde mental e física

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois



Um velho calção de banho/O dia pra vadiar/Um mar que não tem tamanho/E um arco-íris no ar...

Os primeiros versos da canção "Tarde em Itapuã", de Vinícius de Moraes e Toquinho, anunciam um convite ao ócio. Os verbos na voz passiva, a descrição da paisagem e dos sentimentos e a ideia de "passar uma tarde em Itapuã" são um verdadeiro "hino à preguiça", como define o psicólogo Aurélio Melo, professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Defensor ferrenho da importância do ócio para a saúde física e mental, ele lamenta, entretanto, que o mundo contemporâneo não permita mais o desfrute dos "momentos de fazer nada". "As pessoas não se permitem o ócio, estão o tempo todo realizando tarefas. O sujeito contemporâneo é multitarefas, mas fica correndo sem sair do lugar como se estivesse em uma esteira de corrida", compara.

Sair de férias e continuar ligado no trabalho é uma das consequências deste comportamento. "A vida atual tem duas atividades centrais: trabalho e consumo, o que é terrível, pois as pessoas se tornam superficiais", diz. Crianças hiperativas em função do excesso de estímulos, adultos ansiosos que dormem pouco, acumulam muitas atividades e não conseguem "desligar", pessoas com dificuldade de prestar atenção são outros reflexos da falta de tempo para simplesmente relaxar. "A vida vai ficando cada vez mais rasa", critica.

Divulgação
Divulgação - Aurélio Melo diz que antes de  sair de férias as pessoas precisam treinar para ficar sem fazer nada
Aurélio Melo diz que antes de sair de férias as pessoas precisam treinar para ficar sem fazer nada


Para quem vai sair de férias, Melo pede cuidado para não transformar lazer em trabalho. "Viajamos com a obrigação de ir a muitos lugares e fotografar tudo", diz ele, que reconhece, entretanto, que ficar sem fazer nada nem sempre é fácil. "Pelo contrário, exige treino", avisa o psicólogo, destacando que o primeiro passo é desfazer a ilusão de que estamos no controle da vida. "O sujeito contemporâneo acha que tudo depende dele mesmo, por isso a autoajuda faz sucesso. Mas nem tudo é questão de querer e saber fazer, individualmente não temos quase nenhuma força sobre nós mesmos, estamos em um contexto", analisa.

Shutterstock
Shutterstock -
"Na cidade grande falamos o tempo todo sem parar, como se fosse uma obrigação", afirma o psicólogo Aurélio Melo


Quem consegue superar a cobrança eterna pela produtividade vai colher benefícios que, surpreendentemente, resultam em mais produtividade. "Um dos maiores benefícios do ócio é o descanso para ‘repor as energias’. Quem descansa fica mais atento e consegue desacelerar para pensar. O ócio é o contrário do esgotamento", compara.

Melo também pede que as pessoas voltem a se reunir para contemplar, mas que reaprendam a ficar em silêncio. "Na cidade grande falamos o tempo todo sem parar, como se fosse uma obrigação. Às vezes o abraço, o toque é mais necessário que a conversa, temos que voltar a valorizar apenas a companhia. Quem está bem consigo mesmo não precisa puxar papo no elevador", brinca.
Carolina Avansini
REPORTAGEM LOCAL
Continue lendo
6
Continue Lendo
2-1-150-249-20170107
2-1-150-296-20170107
2-1-37-306-20170107
2-1-37-309-20170107
2-1-150-288-20170107
2-1-150-284-20170107
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralReportagem
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteFale ConoscoClube do AssinanteAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados