VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Folha da Sexta
26/08/2016

ESPAÇO PET - Na hora de trocar a ração

Substituição deve ser gradual para evitar problemas digestórios e até a recusa do alimento

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Fotos: Shutterstock
Fotos: Shutterstock


Ter um animal de estimação em casa exige muita atenção e alguns gastos constantes, por exemplo, com a alimentação. Escolher um produto de qualidade, que ofereça todos os nutrientes necessários, é sempre muito importante, mas alimentar corretamente o seu pet exige outros cuidados, como a troca gradual da ração, necessária para que o sistema digestório do animal se adapte ao novo alimento.
PUBLICIDADE

Mariana Martins, zootecnista e pesquisadora da Magnus, fabricante de ração para cães e gatos, explica que quando a mudança de alimento se faz necessária, seja por idade, necessidade especial por algum motivo relacionado à saúde, busca por qualidade, preço, opção de marca ou qualquer outra razão, é recomendado fazer a troca de forma gradual do alimento anterior pelo novo.

"Nós (humanos) estamos adaptados a variações diárias na alimentação. Com isso tudo, o metabolismo e o sistema gastrointestinal são capazes de lidar com a diversidade. Já o cão e o gato comem o mesmo alimento diariamente, e uma mudança repentina pode acarretar problemas à saúde, como fezes amolecidas, recusa do alimento, diarreia, vômitos", diz Mariana.

Para evitar erros na hora de realizar a troca do alimento de seu pet, a especialista preparou algumas dicas. Confira:

- Planeje a mudança antes de o pacote acabar

Inicie a mudança antes que acabe o pacote do alimento anterior, caso contrário não haverá a possibilidade de troca gradual.

- Programe o período de troca de alimento

O ideal é dedicar sete dias para a troca de alimento do animal. "Durante esse período, deve haver o aumento gradual da quantidade oferecida da nova ração e a diminuição da anterior, até que, no sétimo dia, o pet esteja consumindo 100% do alimento novo", explica Mariana.
Certifique-se de que possui quantias suficientes das duas rações e faça um cronograma como o exemplo a seguir: no primeiro e segundo dias, ofereça mais da ração atual e menos da ração nova (75% da atual e 25% da nova); no terceiro e no quarto dias, sirva 50% de cada; no quinto e no sexto dias, coloque 25% da ração atual e 75% da nova; e, para finalizar, do sétimo dia em diante, deixe o animal consumir apenas a ração nova e provavelmente ele não irá perceber a diferença.

- Filhotes tornando-se adultos

Os filhotes de raças mini e pequenas começam a transição para a fase adulta a partir dos dez meses; os de raça média, ao 12 meses; e os de raças grandes e gigantes podem iniciar a alimentação recomendada para cães adultos a partir dos 18 meses. "Nesse período, é preciso fazer a troca gradual do alimento de filhote para o alimento indicado para cães adultos, que suprirá todas as vitaminas e os nutrientes demandados para esta fase", informa.
No caso dos gatos, a troca gradual do alimento de filhote para o de adulto deve ocorrer a partir dos 12 meses.

- Gestantes se alimentam com ração para filhotes

Poucos sabem, mas o ideal é que fêmeas em período de gestação (principalmente no terço final) ou lactantes se alimentem com ração própria para filhotes.

– Introdução do alimento na troca do leite para ração

Filhotes de cães e gatos com mais de um mês de idade devem continuar sendo amamentados pela mãe até, pelo menos, o segundo mês de vida, mas o alimento próprio para filhote (o mesmo que a mãe estiver comendo) também deve ficar disponível, sempre numa tigela baixinha para que tenha acesso. No tempo deles, terão interesse e comerão o tanto que quiserem dessa ração, complementando o aleitamento. Nessa fase, o organismo do filhote "diz" o que precisa e, naturalmente, eles estarão hábeis a digerir a ração.

– Cães e gatos também têm rotina alimentar

Assim como os humanos, os animais também se adaptam à rotina. É sempre bom ter atenção para que a alimentação se mantenha nos mesmos horários. O organismo se prepara para aquela refeição mesmo antes de ela ser fornecida. Algumas enzimas gástricas são liberadas e os estímulos neurológicos também. Para gatos, é ainda mais importante, pois influencia no pH urinário. Por isso, é recomendável fornecer a quantidade diária de alimento dividido em duas ou três vezes, especialmente para os glutões.
Érika Gonçalves
Reportagem Local
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

MODA - Sem perder a ternura

Os saltos grosso e quadrado não só proporcionam conforto aos pés como também imprimem a grande aposta da temporada

SUA CASA

Muito prazer, sou a orquídea!

Especialista derruba o mito da tal "mão boa" para as plantas e diz que elas precisam de cuidados adequados para florescer e espalhar sua beleza

FIQUE DE OLHO!

Nota 10

À MESA - Coringa!

A escolha dos ingredientes é prioridade para o preparo de uma torta deliciosa. Confira nossas sugestões

CUIDE DE SUA SAÚDE

VIVA BEM - Pele protegida

Especialista fala sobre como diminuir os impactos causados pela dermatite atópica, doença bastante comum mas pouco conhecida pela população

SUA CASA - Pronto para alugar

Para atrair inquilinos, investidor convoca arquitetos para decorar um apartamento de 39 metros quadrados. Veja o resultado

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados