VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Folha 2
ARTE E CULTURA

Vidas e obras na telona

Documentários exibidos no 19º Festival Kinoarte de Cinema resgatam celebridades da cultura nacional

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois



Artistas conhecidos do grande público ganham destaque na programação do 19º Festival Kinoarte de Cinema nesta quarta-feira (15). Documentários sobre os cantores Clara Nunes e Agnaldo Timóteo, além do ator Paulo José fazem serão exibidos no Cine Teatro Ouro Verde. A agenda conta ainda com sessões do premiado filme "Borrasca" e da produção local "Gir Ag Ka Nhinhir: Crianças Brincando", realizada no reserva indígena Apucaraninha.
PUBLICIDADE

As sessões do dia serão abertas às 14h30, com a exibição do curta-metragem "Gir Ag Ka Nhinhir: Crianças Brincando", que mostra duas crianças kaingang da Terra Indígena Apucaraninha indo pescar no rio, assando os peixes, comendo e voltando para casa. A produção foi inteiramente filmada pelos indígenas Jaqueline Kómóg Marcolino e Douglas Noján Candido, que coordenam junto com outros oito moradores da mesma aldeia o "Centro de Memória e Cultura Kaingang" (CMCK), localizado dentro dos limites da cidade de Tamarana e Londrina e que buscam registrar, guardar, pensar e fortalecer a memória da cultura indígena da comunidade Kaingang. Lançado neste ano, a produção tem classificação indicativa livre.



A voz e o gingado contagiantes da cantora Clara Nunes serão lembrados no documentário "Clara Estrela", que ganha exibição às 15 horas. Dirigido por Susanna Lira e Rodrigo Alzuguir, o filme narra em primeira pessoa a trajetória da cantora Clara Nunes, que conquistou o Brasil e vários países do mundo. Além do trabalho de pesquisa audiovisual, o filme traz depoimentos de mídia na narração da atriz Dira Paes, revelando um pouco mais dessa personagem que, mesmo passados mais de 30 anos de sua morte, permanece em lugar de destaque na história da música popular brasileira. Susanna Lira é sócia-diretora na Modo Operante Produções, onde coordena e dirige projetos audiovisuais. Ao longo de sua carreira dirigiu dez longas documentais, entre eles "Positivas" (2010) e "Damas do Samba" (2013). Rodrigo Alzuguir faz sua estreia na direção. Tem vasta experiência como escritor, músico, pesquisador e biógrafo, autor de obras como Wilson Baptista, o samba foi a sua glória, pela qual ganhou o Prêmio Jabuti. Classificação indicativa: 14 anos.

Clara Estrela


Outro famoso intérprete da música popular brasileira, Agnaldo Timóteo tem sua vida retratada no documentário "Eu, Pecador", com exibição às 17 horas. Nas filmagens, o polêmico cantor conta histórias marcantes de sua carreira, enquanto se divide entre seus shows e uma campanha para tentar se eleger vereador no Rio de Janeiro. Com direção de Nelson Hoineff, a produção tem classificação livre. Nelson Hoineff iniciou a carreira de diretor de televisão ao assumir o departamento de jornalismo da Rede Manchete. Estreou em longas com "O Homem Pode Voar" (2005). Seguiram-se "Caro Francis" (2009), "Alô Alô Terezinha" (2009), "Cauby - Começaria Tudo Outra Vez" (2013) e "82 Minutos" (2015).

Fotos: Divulgação
Fotos: Divulgação - Documentários da cantora Clara Nunes, do ator Paulo José e do polêmico cantor Aguinaldo Timóteo integram a programação do Festival Kinoarte: histórias que interessam a diferentes públicos
Documentários da cantora Clara Nunes, do ator Paulo José e do polêmico cantor Aguinaldo Timóteo integram a programação do Festival Kinoarte: histórias que interessam a diferentes públicos


A sessão de documentários conta ainda com "Todos os Paulos do Mundo", com exibição às 21h30, e classificação indicativa livre. O filme é um ensaio cinematográfico sobre o ator Paulo José, no ano em que completa 80 anos de um dos maiores artistas do Brasil. A produção fala da criação da Babel, que despeja pelo mundo homens que falam línguas diferentes, focando todos os rostos, corpos e vozes de Paulo José, encarnados nos personagens que o ator interpretou em sua carreira no teatro, na televisão e no cinema. O documentário é dirigido por Gustavo Ribeiro, que é montador e diretor. Formou-se em cinema na FAAP e fez cursos de montagem na EICTV e na ESDI. Seu primeiro curta-metragem foi "Pássaros na Boca" (2015), e codirigiu a série "A Vaga". Rodrigo de Oliveira é crítico e cineasta formado em cinema na UFF. É roteirista de "Exilados do Vulcão" (2013). Seu primeiro longa foi "As Horas Vulgares" (2012), seguido de "Teobaldo Morto, Romeu Exilado" (2015). Outro documentário badalado, "Todas as Horas do Fim, sobre a vida e obra de Torquato Neto, foi apresentado na segunda-feira (13).

O ator e dramaturgo Mário Bortolotto (à direita) integra o elenco de
O ator e dramaturgo Mário Bortolotto (à direita) integra o elenco de "Borrasca" que também está na programação do festival nesta quarta-feira


A programação destas quarta-feira (15) traz ainda o filme "Borrasca", que tem direção assinada por Francisco Garcia e será exibido às 19h30. O londrinense Mário Bortolotto participa do elenco e criou a trilha sonora juntamente com Marcelo Amalfi. No filme, após a morte de um amigo, Gabriel e Diego conversam em meio a uma noite chuvosa. Os três eram amigos em comum e passam a relembrar momentos que viveram juntos, mas apenas um deles vai ao enterro. O outro se recusou a ir porque sua ex-mulher o traiu com o falecido, mas acabou sabendo pelo amigo que foi como estava o funeral. À medida que conversam, eles não só relembram memórias, mas também questionam suas próprias vidas. Prêmios: Melhor ator no 20º Festival de Cinema Luso-Brasileiro de Santa Maria da Feira, Portugal, 2016; Melhor ator no 21º Cine PE, 2017. Francisco Garcia inicia sua carreira como assistente de diretores como Beto Brant, Renato Ciasca, Flávio Frederico, e em inúmeras publicidades em diferentes produtoras. Sócio fundador da produtora Kinoosfera Filmes (2006), atua como produtor, roteirista e diretor. Foi ganhador de prêmios nacionais e internacionais com seus curta-metragens em 35mm "Desequilíbrio" (2004), "Nanoilusão" (2006), roteirizado por Bráulio Mantovani, e "A Cauda Do Dinossauro", baseado em obra original do cartunista Angeli. Seu primeiro longa-metragem foi "Cores" (2013).

Serviço:
32º Festival Kinoarte de Cinema
Quando – Quarta-feira (15), a partir das 15 horas
Onde – Cine Teatro Ouro Verde (R. Maranhão, 85)
Quanto – R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada)
Confira a programação completa do evento no site kinoarte.org
Marcos Roman
Reportagem Local
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO
EXPOSIÇÃO

Cartas de amor de Camus são divulgadas

Amor de Albert Camus e María Casares é exposto em cartas inéditas

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic