VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Folha 2
13/09/2017

O poder das expressões culturais

Espetáculo 'Macumba – Uma Gira Sobre Poder' destaca a ancestralidade negra por meio do teatro, dança, música e religião

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Divulgação
Divulgação - ‘Macumba- Uma Gira Sobre Poder’: espetáculo que será apresentado em Londrina faz parte de projeto que dissemina a ancestralidade e a ritualidade africanas
‘Macumba- Uma Gira Sobre Poder’: espetáculo que será apresentado em Londrina faz parte de projeto que dissemina a ancestralidade e a ritualidade africanas


Os negros representam 54% da população brasileira. No entanto, a participação desta etnia no grupo dos mais pobres do País é muito maior, chegando a 75%. O abismo social causado pela desigualdade racial é traduzido em taxas maiores de desemprego e de analfabetismo entre afrodescedentes, além de pouca representatividade na política, na economia, nas artes e na vida social.
PUBLICIDADE

Diante dessas e outras questões, integrantes do grupo teatral decidiram levar para o palco as perguntas: O negro tem poder? Onde o negro tem poder? As repostas foram traduzidas em diversas manifestações artísticas que resgatam matrizes africanas e que são abordadas no espetáculo "Macumba – Uma Gira Sobre Poder". Após temporadas de sucesso em Curitiba e São Paulo e ser contemplada com vários prêmios, a montagem chega ao interior do Paraná, com apresentação gratuita no Centro Cultural Sesi/AML, nesta quinta-feira (15), às 19h30. "Estamos passando por várias cidades paranaenses nesta turnê em parceria com o Sesi Cultura. Na sexta-feira (15) a gente se apresenta em Ibiporã (Cine Teatro Padre José Zanelli) Depois, voltamos a Londrina 21 e 22 de setembro para duas apresentações no Sesc Cadeião", informa Thiago Inácio, um dos fundadores da Companhia Transitória.

Ele explica que o espetáculo é fruto do Projeto Macumba, com o qual a Companhia Transitória conquistou a Bolsa Funarte de Fomento aos Artistas e Produtores Negros de 2014. Trata-se de um projeto multiáreas, que combina a pesquisa e o texto teatral à música e artes visuais e que busca resgatar, fortalecer e disseminar a ancestralidade e a ritualidade africanas.
'Macumba – Uma Gira Sobre Poder' é definido pela Companhia Transitória como um espetáculo cênico provocativo, celebrativo e revelador sobre o empoderamento da mulher e do homem negro. Em sua pesquisa, o grupo considera que "empoderar-se" significa, além de ter acesso a todos os direitos de cidadania, conhecer a sua história e ter consciência de sua cultura e identidade. A montagem busca, por meio do teatro, música, dança e elementos de religiões de raízes africanas dar voz e visibilidade aos artistas negros, para que haja uma constante troca e se faça visível esta capacidade transformadora de combate incansável contra o racismo, pelo reconhecimento dos valores das culturas negras na sociedade brasileira.
Nesta empreitada, o grupo curitibano firmou uma parceria do Núcleo Afro-Brasileiro de Teatro de Alagoinhas, o NATA, que "emprestou" sua fundadora, a diretora, dramaturga, educadora e pesquisadora da cultura africana no Brasil, Fernanda Julia, para ajudar a levantar a proposta, cuja temática vem sendo pesquisada e desenvolvida ao longo dos últimos dois anos pela companhia curitibana. Nome forte da nova dramaturgia brasileira, Fernanda traz no currículo trabalhos com Lazaro Ramos e Grace Passô e já esteve em Curitiba na Mostra Baiana, no Fringe do Festival de Teatro de Curitiba. Ela assina a dramaturgia e a direção do espetáculo.

Serviço:
Macumba - Uma Gira Sobre Poder
Quando - Quinta-feira (14), às 19h30
Onde – Centro Cultural Sesi/AML (Praça Primeiro de Maio, 130 – Em frente à Concha Acústica
Gratuito
Marcos Roman
Reportagem Local
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

LEITURA - A vastidão do infortúnio

'O Garoto do Riquixá', primeiro romance do escritor chinês Lao She publicado no Brasil, realiza um jornada pela e esperança e desilusão humana

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic