VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso gratuito ao
conteúdo Folha de Londrina
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Estado.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Domingo, 28 de Agosto de 2016
Folha 2
04/06/2013

CONCURSO DE TIRINHAS - No universo das histórias em quadrinhos

Promovido pela Folha Cidadania, concurso estimula a produção de tiras de humor; desenhos podem ser encaminhados até o dia 14 de junho

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois
Saulo Ohara
Alunos da Escola Municipal América Sabino se divertem enquanto aprimoram os traços e exercitam a criatividade
Celso Pacheco
Na Escola Municipal Corina Mantovan Okano, um grande painel com as tirinhas publicadas na FOLHA facilita a leitura e promove a interação em sala de aula

Com lápis e borracha na mão, não está faltando criatividade para os alunos de 5º e 6º anos de 75 escolas do Programa Folha Cidadania que estão inscritas na primeira edição do Concurso de Tirinhas, organizado pela Folha de Londrina. Até o dia 14 de junho os desenhos poderão ser encaminhados para pré-seleção, que será realizada por uma comissão formada por representantes da Secretaria Municipal de Educação de Londrina, da Folha de Londrina e pelo cartunista Marco Jacobsen.
Ao todo serão selecionadas cinco tirinhas para votação on-line por semana. A tirinha mais votada em cada semana será publicada às terças-feiras, dentro da Folha Cidadania - a primeira publicação será no dia 30 de julho. Até dezembro, serão publicadas 19 tirinhas, que concorrem a um kit educativo. Vale ressaltar que as tirinhas podem ser coloridas ou em preto e branco, mas é preferível que tenham traços fortes para facilitar a visualização na hora de digitalizar a imagem.
Na Escola Municipal América Sabino, a empolgação é constante. Após assistirem a vídeos sobre histórias em quadrinhos, estudarem os tipos de balões da fala e do pensamento e vários recursos gráficos comuns nesse tipo de gênero textual, os alunos do 5º ano se divertem nas aulas. "A parte lúdica é muito forte para eles e esse tipo de atividade permite que aflore com facilidade a criatividade deles, embora ainda demonstrem dificuldade em criar uma história em espaço tão reduzido e usar o senso de humor", comenta a professora Cileide Teixeira da Silva Polli. "Essa turma é muito interessada, gosta de pesquisar e estão enfrentando bem os vários desafios que a atividade oferece", acrescenta.
Animados em mostrar o resultado do seu trabalho, fazem questão partilhar os avanços que estão obtendo, já que em cada atividade vão melhorando os traços e as ideias. "Mesmo assim, acho que seria melhor se eu pudesse contar com a orientação de um professor com formação em arte, sendo que na nossa escola não temos nenhum. Sinto falta disso, mas estamos tentando fazer o nosso melhor", pondera a professora.
A coordenadora pedagógica Marly Sander elogia a iniciativa da Folha e ressalta que ela vem ao encontro do que vem sendo exigido pelo exames nacionais de avaliação da língua portuguesa – a Provinha Brasil e a Prova Brasil. "Passamos a olhar para as tirinhas com outros olhos, percebendo a riqueza que ela oferece para trabalharmos a produção de texto, já que traz questões relacionadas à pontuação, gramática e interpretação de texto", avalia.

De olho nas tirinhas
Na Escola Municipal Corina Mantovan Okano, no Distrito de Maravilha, desde o lançamento do concurso um grande painel com as tirinhas que são publicadas diariamente na Folha está disposto na sala. Todo dia os alunos aguardam com ansiedade as peripécias do Edibar e do Theo, que chegam pelas mãos da professora Rosa Alzira dos Santos, moradora em Londrina e responsável em levar o jornal até eles. "Sempre gostei de ler jornal e tento passar isso para eles, já que é pela escola que a maioria dos alunos tem contato com esse material", afirma.
Os estudantes adoram as atividades que envolvem o jornal e, para o concurso, de duas a três vezes por semana as aulas são dedicadas à produção de histórias em quadrinhos. "Desenhar e pintar são atividades muito prazerosas para eles. O mais difícil é a questão do humor e até os pais querem ajudar nessa parte, mas sempre reforço que o importante é os alunos trabalharem as próprias ideias", destaca.
Na semana passada, uma atividade envolveu a produção em grupo de uma "tira gigante", em quatro folhas de papel sulfite, como exercício prático de criatividade. "Procuro orientar que o desenho não é o mais importante, mas eles são os que mais se cobram na perfeição dos detalhes do desenho", lembra a professora.
Além de facilitar a visualização das tirinhas, o painel serve também para melhorar a interação em sala de aula, assim como a leitura. Uma das atividades mais solicitadas é a leitura em voz alta dos diálogos, que é feita pela professora com a devida "interpretação dramática" de cada um dos personagens, o que às vezes inclui análise crítica também. Aprendizagem e diversão pura.

Leia a reportagem completa em conteúdo exclusivo para assinantes da FOLHA.

- Exercitando a graça do cotidiano

- LEITURINHA - Na pele do outro

- PALAVRA DE ESTUDANTE
Ana Paula Nascimento
Reportagem Local
Continue lendo
23
Continue Lendo
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoÍndice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
ReportagemFolha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroCasa & ConfortoMercado DigitalFolha da SextaFolha Rural
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados