VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Quarta-feira, 22 de Fevereiro de 2017
Folha 2
16/02/2017

Brasil leva joia cinematográfica a Berlim

Baseado numa história real e familiar, 'As Duas Irenes', dirigido por Fábio Meira, arrancou aplausos na mostra "Geração"

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Divulgação
Divulgação - ‘As Duas Irenes
‘As Duas Irenes" conta a história de duas garotas, filhas do mesmo pai e de famílias diferentes, que se encontram na adolescência


Foi outro belo momento do Brasil na Berlinale de 2017. O diretor Fábio Meira mostrou seu longa "As Duas Irenes" para uma plateia formada predominantemente por jovens, na mostra Generation, Geração. Estava acompanhado por suas atrizes, Isabela Torres e Priscila Bittencourt. "As Duas Irenes" são filhas do mesmo pai, mas pertencem a diferentes famílias. Uma descobre a outra, iniciam uma aproximação. E ambas estão em pleno rito de passagem - primeiro beijo, primeiro namorado.

Meira contou que se inspirou numa história de sua família. O avô tinha duas filhas com o mesmo nome. Sua tia nunca quis conhecer a meia-irmã. A história, que ele descobriu aos 13 anos, o perseguiu até quase os 30, quando ele imaginou um roteiro de cinema - e se as duas se encontrassem, o que ocorreria? Foram sete anos de tentativas, e o que nunca mudou foi o desfecho. Aguarde para ver - o desfecho faz a diferença em As Duas Irenes. O filme foi muito aplaudido.

A terça, 14, começou com o filme que talvez venha a ganhar essa Berlinale. O finlandês Aki Kaurismaki tem um jeito todo especial de contar suas histórias. O Homem Sem Passado e O Porto são grandes filmes. Ele conseguiu, de novo. O Outro Lado da Esperança acompanha dois homens - um refugiado sírio que busca cidadania, mas acha que não vai conseguir, e um vendedor cansado de sua vida estável e que resolve comprar um restaurante. As duas tramas juntam-se lá pelos 40 min. (do primeiro tempo). O filme é maravilhoso e com o chileno Una Mujer Fantástica, de Sebastián Lelio, deverá estar na premiação de sábado, 18. Pelo menos é o que se espera. São os melhores filmes até agora.



Aki Kaurismaki, com sua humanidade e humor derrisório, parece um personagem saído de seus filmes. Refutou, na coletiva, a provocação de uma pergunta se havia risco de 'islamização' na Europa. Lembrou os árabes na Espanha, o Alhambra. Citou Jean Renoir, que se decepcionou por não haver conseguido evitar a Segunda Guerra Mundial com seu clássico A Grande Ilusão. "Faço cinema para mudar o mundo", admitiu. "Mas já vou ficar contente se conseguir mudar as três pessoas que, provavelmente, vão ver The Other Side of Hope."

O festival tem apresentado belos filmes fora de concurso - na quarta (15), foi a vez de "I Am Not Your Negro" (Eu Não Sou Seu Negro), de Raoul Peck, que estreia nesta quinta, 16, nos cinemas brasileiros. O filme está indicado para o Oscar de documentário. É poderoso. Peck também está na Berlinale com outro filme fora de concurso - "O Jovem Karl Marx". Tem gente reclamando do foco romântico que ele imprime à sua reconstituição da juventude de Marx e Friedrich Engels, culminando com a redação do Manifesto Comunista. Ambos são grandes caras, amigos. Enfrentam todo tipo de adversidade juntos.

Raoul Peck, que é negro, com certeza não está interessado em ser reconhecido pela vaga conservadora que assombra o mundo atual, como o fantasma do comunismo assombrou a Europa no século 19. Seu filme termina com uma colagem vibrante ao som de "Like a Rolling Stone", de Bob Dylan. O público, diante desse gran finale, não tem feito outra coisa senão aplaudir. O final para cima - uma réplica de Penélope Cruz para o caudilho Francisco Franco - também tem levantado a plateia de A Rainha da Espanha, de Fernando Trueba. O diretor está lavando a alma. Ao receber um prêmio na Espanha, disse que não se sentia espanhol, mas um cidadão da Europa e do mundo, solidário com toda resistência ao neoautoritarismo. As redes sociais reagiram, o filme fracassou na Espanha. Aqui, está sendo um sucesso.
Luiz Carlos Merten
Agência Estado
Continue lendo
11
Continue Lendo
2-1-41-1227-20170216
2-1-41-1234-20170216
2-1-41-1214-20170216
2-1-41-1215-20170216
2-1-41-1238-20170216
2-1-41-1237-20170216
2-1-41-1220-20170216
2-1-41-1228-20170216
2-1-41-1213-20170216
2-1-41-1287-20170216
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralReportagem
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteFale ConoscoClube do AssinanteAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados