VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Esporte
13/06/2017
ASSISTA AO VÍDEO

Seleção faz gol relâmpago e goleia Austrália

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Saeed Khan/AFP
Saeed Khan/AFP - Diego Souza marcou o gol mais rápido da história da seleção brasileira
Diego Souza marcou o gol mais rápido da história da seleção brasileira

A seleção brasileira só precisou de dez segundos nesta terça-feira para deixar para trás a primeira derrota sofrida sob o comando de Tite, na semana passada. Jogando no mesmo Melbourne Cricket Ground, o time do Brasil dominou a anfitriã Austrália com facilidade, mesmo contando com diversas novidades na equipe, e goleou por 4 a 0, com direito a um gol relâmpago.
PUBLICIDADE

Em comparação ao duelo contra os argentinos, a seleção sofreu oito mudanças na escalação. Diego Souza e Taison foram os que aproveitaram mais a oportunidade. O jogador do Sport marcou duas vezes, incluindo o gol relâmpago. E o atacante do Shakhtar Donetsk deixou sua marca logo após entrar em campo. Thiago Silva marcou o outro gol brasileiro.



Além do zagueiro, o meia Philippe Coutinho e o volante Paulinho foram os únicos titulares de sexta-feira que foram mantidos na equipe nesta terça. Coutinho foi quem teve o desempenho mais discreto. Ele viu a seleção evoluir rapidamente no setor ofensivo nos últimos 25 minutos da partida, quando foi substituído por Willian.

Leia Mais:
Nova opção do ataque, Diego Souza celebra gol relâmpago

Efetivo no ataque, o Brasil praticamente não levou sustos na defesa, diante de um público inferior ao jogo com a Argentina - foi quase metade dos 95 mil presentes na sexta. Diego Alves mal tocou na bola, bem protegido por Thiago Silva e Rodrigo Caio. David Luiz completou o setor defensivo ao atuar como volante, logo à frente dos zagueiros.

O JOGO - Vestindo azul, a seleção espantou qualquer chance de pressão, em razão da primeira derrota de Tite, com um gol relâmpago. Logo após o apito inicial, Giuliano roubou a bola da defesa australiana, investiu pelo meio e acionou Diego Souza, que entrou na área e bateu na saída do goleiro Langerak, aos 10 segundos de jogo. Foi um dos gols mais rápidos da história da seleção brasileira.

A vantagem precoce no placar acabou com qualquer ansiedade da equipe e deu tempo para o desfigurado meio-campo brasileiro se encontrar em campo. Testado como volante, como já fizera no Chelsea, David Luiz formava trio com Paulinho e Philippe Coutinho. Paulinho se infiltrava pela direita e Coutinho, mais contido, se concentrava na armação.

Mais à frente, Giuliano atuava mais centralizado, enquanto Diego Souza tentava fazer as funções de Gabriel Jesus, machucado. Douglas Costa, apagado durante quase todo o jogo, pouco apareceu na etapa inicial. E, no segundo tempo, mancava em campo.

Com esta formação, a seleção pouco assustou o goleiro Langerak no primeiro tempo. Depois do gol surpreendente, o time de Tite só criou duas chances de perigo. Aos 28, Diego Souza mandou para as redes, mas a arbitragem já assinalava o impedimento. Cinco minutos depois, Paulinho desperdiçou boa chance, em conclusão de trama armada pela esquerda com Diego Souza e Douglas Costa.

Do outro lado, a Austrália até tentava ameaçar algum dano à defesa brasileira. A partir dos 10 minutos, passou a marcar no campo de ataque. Porém, Thiago Silva e Rodrigo Caio não tiveram dificuldades para saírem jogando. O goleiro Diego Alves não foi acionado em nenhum momento da etapa inicial.

Com time já recheado de novidades, Tite preferiu não fazer mudanças para o segundo tempo. Só trocou Douglas Costa por Taison nos primeiros minutos porque o jogador do Bayern de Munique estava lesionado.

A troca não mudou a dificuldade da seleção em penetrar na defesa australiana. Os donos da casa, na segunda etapa, praticamente abdicaram de atacar e se concentraram na marcação, que era considerável no primeiro tempo.

Assim, o time brasileiro precisou da bola parada para buscar o segundo gol. Aos 16, Coutinho cobrou escanteio, David Luiz desviou de cabeça na primeira trave. A bola acertou o travessão. No rebote, Rodrigo Caio escorou na pequena área e Thiago Silva enfim cabeceou para as redes.

Então emperrado, o meio-campo brasileiro começou a funcionar a partir dos 25, quando Tite trocou Coutinho por Willian. O meia do Chelsea deu maior mobilidade ao setor ofensivo, que passou a fluir melhor. E as jogadas de perigo se tornaram frequentes. Aos 28, Taison recebeu pela esquerda, cara a cara com o goleiro, mas desperdiçou a oportunidade.

Menos de um minuto depois, Willian fez jogada pela direita e iniciou tabela que Paulinho finalizou com o mesmo Taison, se redimindo pela chance perdida anteriormente: 3 a 0. Para selar o placar, o mesmo Willian cobrou escanteio na área e Diego Souza subiu bem para cabecear para as redes, aos 47 minutos.

JOGO EM PORTO ALEGRE - Durante a transmissão do amistoso desta terça, a CBF confirmou que o duelo entre o Brasil e o Equador, pela próxima rodada das Eliminatórias da Copa do Mundo da Rússia, será disputado na Arena Grêmio, em Porto Alegre. A partida está marcada para o dia 31 de agosto.

FICHA TÉCNICA:

AUSTRÁLIA 0 x 4 BRASIL

AUSTRÁLIA - Langerak; Wright (Dylan McGowan), Sainsbury (Irvine) e Degenek; Milligan, Luongo (Mooy), Leckie (Ajdin Hrustic), Kruse, Troisi (Rogic) e Behich; Cahill (Jamie Maclaren). Técnico: Ange Postecoglou.

BRASIL - Diego Alves; Rafinha, Thiago Silva (Jemerson), Rodrigo Caio e Alex Sandro; David Luiz (Fernandinho), Paulinho (Renato Augusto) e Philippe Coutinho (Willian); Giuliano (Rodriguinho), Diego Souza e Douglas Costa (Taison). Técnico: Tite.

GOLS - Diego Souza, aos 10 segundos do primeiro tempo. Thiago Silva, aos 16, Taison, aos 28, e Diego Souza, aos 47 minutos do segundo tempo.

CARTÃO AMARELO - Não houve.

ÁRBITRO - Hiroyuki Kimura (Japão).

RENDA - Não disponível.

PÚBLICO - 48.847 pagantes.

LOCAL - Estádio Melbourne Cricket Ground, em Melbourne (Austrália).
Felipe Rosa Mendes
Agência Estado
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Para reencontrar a vitória

Após perder a invencibilidade para a Argentina, Tite muda a equipe de olho em novos jogadores e espera uma seleção mais competitiva contra a Austrália

Subindo na tabela

Depois da vitória no Recife, Londrina afastou ameaça do rebaixamento e quer engatar a segunda vitória seguida na Série B para encostar no G4

NO CAFÉ

Londrina encara o Oeste pela 7ª rodada da Série B; acompanhe o lance a lance

Tubarão vem de vitória sobre o Santa Cruz, fora de casa, pelo placar de 3 a 1. Siga o minuto o minuto

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados