VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Esporte
04/05/2012

Juvenal defende afastamento de zagueiro

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois
Luiz Pires/VipComm
Paulo Miranda foi tirado da concentração pela diretoria do São Paulo

São Paulo - Leão sabia do veto a Paulo Miranda, participou da reunião com a diretoria que culminou com o afastamento do atleta e entregou a decisão nas mãos da diretoria. Quem garante é ninguém menos do que o presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio. O dirigente afirmou que o treinador contava com o zagueiro para a partida contra a Ponte Preta, na noite de quarta-feira, pela Copa do Brasil, mas cedeu aos argumentos de que a série de erros do defensor poderia queimá-lo para o restante da temporada e não impôs barreiras para o corte.
PUBLICIDADE

Juvenal Juvêncio participou da reunião que selou o afastamento do atleta, ao lado do vice-presidente de futebol, João Paulo de Jesus Lopes, do diretor de futebol, Adalberto Baptista, e do próprio Leão. Logo após o sinal verde do técnico, Adalberto procurou Paulo Miranda e comunicou que ele estava fora dos dois jogos contra a Ponte Preta - os dois times se enfrentam também na próxima quinta-feira, no Morumbi.
''Ele sabia de tudo. Aqui não se faz nada às escondidas. Conversamos com ele (Leão), que concordou com tudo. Mas disse que não poderia tirá-lo da concentração porque já o havia relacionado, mas que, se a diretoria quisesse agir, que agisse. Então agimos, não vejo nenhum escândalo nisso'', afirmou o presidente do São Paulo.
A afirmação do homem forte do clube desmonta a tese de que o treinador foi pego de surpresa pelo episódio, como ele mesmo disse logo após a derrota em Campinas. Leão afirmou que havia sido surpreendido com a intervenção dos dirigentes e afirmou que o grupo ficou sentido com a derrota. ''É desagradável. Todo o grupo ficou chateado porque isso é uma coisa nova e pegou todo mundo de surpresa, a mim também. Trouxe um time abatido e chateado, mas a diretoria é soberana. O presidente é soberano'', afirmou o técnico, depois da derrota por 1 a 0 para a Ponte Preta.
As declarações após a partida deixaram claro que o grupo acusou o golpe de ver um companheiro ser barrado repentinamente, mas os jogadores evitam criticar a diretoria publicamente e falam apenas em superar o momento ruim para ajudar Paulo Miranda a ser reintegrado o mais rapidamente possível.
Agência Estado
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Divergência marca liberação de bebida na Copa de 2014

Projetos opostos devem tramitar até junho na Assembleia Legislativa para decidir sobre questão no Paraná

Segundona 'começa' hoje para a Junior Team

Após ser goleado pelo Paraná Clube, time londrinense recebe o Nacional em jogo adiantado da 8 rodada

Diego, o homem-gol do Colégio Londrinense

Há quatro temporadas no time de futsal, pivô se mantém como artilheiro e principal jogador

Atuação de colombiano revolta corintianos

Árbitro José Buitrago foi apontado como principal responsável pelo empate contra Emelec na Libertadores

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados