VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Terça-feira, 27 de Junho de 2017
Empregos & Concursos
13/07/2015

Diagnosticar, criar estratégias e prototipar

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois
Gustavo Carneiro
"O primeiro passo é fazer um diagnóstico, com pesquisas internas e externas para fazer uma validação de como a empresa é vista e entender as reais necessidades", diz Anderson Capeloto

O processo do design thinking se aplica tanto em produtos, serviços ou processos internos. No entanto, para aplicá-lo é preciso ter um pouco de conhecimento da área.
Para isso, o professor Marcelo Ramalho, da Business School São Paulo, orienta a busca por uma consultoria ou capacitação por meio de cursos que o mercado tem oferecido. "Isso é realmente importante porque um erro em alguma das etapas do processo pode ser grave e frustrar", salienta.
O consultor do Sebrae em Londrina, Fabrício Pires Bianchi, responsável pelo setor de Tecnologia de Informação (TI) e Startups, reforça que a grande "sacada" do design thinking é envolver outras partes no processo, como o próprio usuário e fornecedor.
"Isso aumenta a percepção da empresa em relação aos clientes. É desenvolver algo com a perspectiva de quem vai usá-lo. O que está por trás disso é a mudança da cultura organizacional. É maturidade", ressalta ele, que acredita em uma tendência.
"As empresas têm a oportunidade de se manterem nos negócios tradicionais, mas se dando a chance de ser reinventarem, seja em novos processos ou novos negócios. Planejar é padrão, mas o processo deve ser agora, colaborativo", conclui.
O gestor de design Anderson Gabriel Capeloto explica, em linhas gerais, que o processo de gestão do design thinking consiste basicamente em diagnosticar, criar estratégias e prototipar.
"O primeiro passo é fazer um diagnóstico, com pesquisas internas e externas para fazer uma validação de como a empresa realmente é vista e entender as reais necessidades", comenta.
Como a etapa é de imersão, as ideias e sugestões devem fluir, sem medo de errar. Em seguida, vem a estratégia, como o desenvolvimento de estética e linguagem e, em terceiro, o processo de implementação chamado prototipagem", comenta.
Todo esse sistema é cíclico, isto quer dizer que são feitos vários testes, aprimoramentos, e é justamente isso que torna o design thinking funcional. "Ele é retestado até chegar à solução", frisa.
Ainda de acordo com Capeloto, o design thinking traz o usuário para dentro do processo. "A gente não fica pensando e desenhando e tem uma versão final. O processo é rápido, onde tudo é testado, ajustado e testado novamente. Tudo é construído em coletividade. O pensamento antigo funcionou até onde funcionou. Agora, precisamos de algo novo", conclui. (M.O.)
Continue lendo
4
Continue Lendo
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralReportagemCozinha & Sabor
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados