VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Domingo, 25 de Junho de 2017
Economia
19/05/2017

Presidente do BC tenta acalmar mercado após dólar avançar 8%

Ilan Goldfajn afirma que em meio a crise política trabalho da autoridade monetária e do Tesouro deve ser sereno e firme

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

José Cruz/Agência Brasil
José Cruz/Agência Brasil - Goldfajn citou leilões programados pelo Tesouro Nacional visando reduzir a volatilidade dos mercados
Goldfajn citou leilões programados pelo Tesouro Nacional visando reduzir a volatilidade dos mercados


Brasília – O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou nesta quinta-feira (18) que, neste momento de crise política, o trabalho do BC tem que ser "contínuo, sereno e firme". Declarou ainda que o BC e o Tesouro Nacional estão atuando de forma conjunta para acalmar o mercado. "Estamos fazendo nosso papel, que é o papel do BC, que é manter a funcionalidade do mercado, trabalhando de forma serena, de forma firme, usando os instrumentos que a gente tem", afirmou antes de reunião com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.
Goldfajn lembrou que a autoridade monetária interveio no mercado nesta quinta através de leilões de swaps, operações que equivalem à venda de dólares no mercado futuro. Mesmo assim, o dólar comercial encerrou o dia com forte alta de 8,16%, para R$ 3,390. Foi a maior valorização desde 5 de março de 2003. O dólar à vista, que fecha mais cedo, teve ganho de 8,68%, para R$ 3,373.
"Estivemos intervindo no mercado de swap em coordenação com o Ministério da Fazenda, com o Tesouro Nacional, que anunciou alguns leilões", disse, referindo-se ao anúncio do Tesouro de que realizará leilões extraordinários de títulos públicos nesta sexta (19), segunda (22) e terça (23) visando reduzir a volatilidade dos mercados.
"Temos vários instrumentos e estamos trabalhando para acalmar o mercado, pra atravessar esse período, e é um trabalho contínuo, um trabalho sereno, um trabalho firme".
Questionado sobre se a política monetária muda a partir de agora, Goldfajn respondeu que essa é "uma questão separada". "A política monetária é uma questão separada. A questão em que estamos atuando hoje não tem relação mecânica com a política monetária, é uma decisão tomada nas reuniões ordinárias do Copom [Comitê de Política Monetária]".

BNDES
A presidente do BNDES, Maria Silvia Bastos Marques, evitou comentários sobre os impactos na economia da delação dos proprietários da JBS com denúncias sobre o presidente Michel Temer. Disse apenas que "é hora de trabalhar mais, com serenidade".
O banco é foco de investigações da Polícia Federal por aportes feitos na JBS. Na última sexta (12), funcionários da instituição foram alvo de mandados de busca e apreensão e de condução coercitiva.
Nesta quinta, Marques participou da abertura do XXIX Fórum Nacional, tradicional evento promovido pelo ex-ministro João Paulo dos Reis Velloso.
Em sua palestra, ela enumerou sinais de que a economia brasileira está se recuperando, como a geração de empregos em abril e o crescimento nas consultas sobre financiamento do banco. Citou ainda o resultado de leilões de linhas de transmissão e aeroportos como um sinal de que o ambiente de negócios no País está melhorando.
Mas não fez referências diretas à crise aberta pela delação dos irmãos Joesley e Wesley Batista.
Disse apenas, ao abrir sua palestra, que "neste momento em que a gente está vivendo, é muito importante manter o foco, olhar para o futuro". Ela foi indicada por Temer para o cargo há um ano.
A presidente do BNDES também não quis fazer projeções sobre o impacto nas finanças do banco, que é sócio da JBS. "Estamos acompanhando todas as questões", limitou-se a dizer. Na terça (16), ela havia determinado a abertura de uma comissão para apurar as denúncias. O grupo terá um prazo de 45 dias, renováveis por mais 45, para apresentar suas conclusões.

Setor produtivo quer andamento de reformas
São Paulo - Em dia de turbulência política, as poucas entidades do setor produtivo nacional que decidiram se posicionar clamaram pelo andamento de reformas no Congresso e pela investigação das recentes denúncias de corrupção.
Em uma parte das notas divulgadas pelas entidades, não há referência direta ao presidente Michel Temer (PMDB) e nem ao senador afastado Aécio Neves (PSDB). Ambos foram gravados em conversas com Joesley Batista, e o conteúdo dos áudios faz parte do acordo de delação premiada dos donos da JBS.
A Abimaq (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos) disse que "independente do momento atual vivido no Brasil, o poder legislativo precisa dar continuidade à agenda de reformas". Entre as alterações defendidas estão as reformas previdenciária, trabalhista, tributária e a aprovação da medida provisória que reabre o Refis.
José Carlos Martins, presidente da Cbic (Câmara Brasileira da Indústria de Construção), acredita que as reformas da Previdência e a trabalhista já estão avançadas o suficiente para não dependerem do que vai acontecer com o presidente Michel Temer, e precisam ser tocadas adiante. "Nós brasileiros devemos cobrar do Legislativo para que ele continue trabalhando e resolvendo as coisas do país. Se olharmos as reformas, neste instante, independe do Executivo."
Martins comparou o momento atual, em que Temer balança no cargo, com o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, mas avaliou que a situação é ainda mais delicada para a economia e uma nova onda pode atingir os empregos.
"Lá atrás, quando teve o da Dilma, o País estava em dificuldade, mas não estava como agora. O risco que se tem agora é que a corda está esticadíssima. Pode estourar. É por isso que o Congresso tem que ser chamado a sua responsabilidade", afirmou o presidente da Cbic. (Folhapress)
Folhapress
Continue lendo
9
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralReportagemCozinha & Sabor
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados