VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Economia
08/10/2014

FMI reduz a 0,3% previsão de crescimento do Brasil

País deve ter uma das menores taxas de crescimento em 2014 entre os principais emergentes

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Washington - O Fundo Monetário Internacional (FMI) rebaixou novamente a previsão de crescimento do Brasil para este ano e o próximo. O País deve ter uma das menores taxas de crescimento em 2014 entre os principais países emergentes, avançando 0,3%, de acordo com projeções divulgadas ontem no relatório "Perspectiva Econômica Global".
PUBLICIDADE

O Brasil foi o país que teve maior corte nas estimativas entre as principais economias mundiais. Em julho, quando divulgou um relatório com atualização de projeções, o FMI previa que o País fosse avançar 1,3% em 2014. Entre os principais países, o Brasil só deve crescer mais que a Rússia neste ano, com expansão prevista de 0,2%, a Venezuela, que deve encolher 3%, e a Argentina, com previsão de retração de 1,7%.
As previsões do Brasil para 2015 também foram reduzidas. O FMI projeta expansão de 1,4%, abaixo dos 2% que estimava em julho. Desde 2012, os economistas do FMI vêm reduzindo a cada novo relatório as projeções de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) do País. O Brasil tem mostrado números sempre piores que o esperado, destaca o documento divulgado ontem.
O Brasil vai crescer este ano menos do que a média dos países da América Latina (projeção de expansão de 1,3%), que os mercados emergentes (4,4%) e a economia mundial (3,3%), mostra o relatório do FMI. "Perspectivas incertas e baixo investimento estão pesando na expansão do Brasil", afirma o economista-chefe do FMI, Olivier Blanchard, em uma entrevista à imprensa ontem. Apesar do corte nas estimativas, o FMI ainda está um pouco mais otimista para o Brasil que a média do mercado financeiro brasileiro, de acordo com o boletim Focus do Banco Central. As previsões foram novamente cortadas esta semana e apontam para alta de 0,24% este ano e 1% em 2015.
Na avaliação do FMI, o fraco crescimento do Brasil é explicado por um conjunto de razões. Infraestrutura deficiente, juros elevados, fraca competitividade e baixa confiança dos agentes. Tudo isso tem contribuído para um fraco ritmo de investimento privado. Pelo lado das famílias, o crédito crescendo menos e um certo esfriamento no mercado de emprego ajudam a contribuir para um baixo nível de consumo.
Para 2015, o FMI espera apenas uma recuperação moderada no Brasil, na medida em que a incerteza política gerada este ano pelas eleições presidenciais vão se dissipando. A inflação deve ficar no topo da meta, reflexo da pressão persistente de preços, em meio a uma infraestrutura deficiente e pressão dos preços administrados. A baixa confiança de empresários e consumidores, aliada à perda de competitividade, devem manter o crescimento brasileiro abaixo do potencial este ano e no próximo, destaca o FMI.

Desemprego
O FMI projeta uma piora da taxa de desemprego do Brasil, que deve terminar este ano em 5,5%, mas subir para 6,1% em 2015. A inflação deve ficar em 6,3% e 5,9%, respectivamente. Já o deficit da conta-corrente em relação ao PIB deve passar de 3,5% este ano para 3,6% no próximo.
Em meio ao crescimento decepcionante do Brasil e outros países da América Latina, ainda persistem riscos de as taxas de expansão do PIB ficarem ainda piores do que o estimado. Um deles é uma rápida elevação dos juros pelo Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), o que pode gerar estresse no mercado financeiro semelhante ao visto em meados de 2013. Um desaquecimento maior da China pode esfriar ainda mais a atividade em países exportadores para o país asiático. Por fim, uma alta dos preços do petróleo por conta da piora dos conflitos no Oriente Médio também pode ter efeito negativo na região.
Altamiro Silva Junior
Agência Estado
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Estatais chinesas mostram interesse pelo Arco Norte

Empresas estudam pagar por análise de viabilidade econômica para projeto e até investir na construção e administração do complexo em Londrina

Vendas de motocicletas caem 18,8% em setembro

No mês passado, foram comercializadas 116.639 unidades no Brasil, contra 143.570 em 2013 na mesma base de comparação

Emater e Embrapa firmam parceria para divulgar MIP

Assistência técnica ajudará produtores paranaenses a implantar Manejo Integrado de Pragas na safra 2014/15

Semana do empreendedor

Evento reúne grandes nomes do marketing digital em Londrina

Semana do Empreendedor Digital, promovida pela ACIL, é o maior evento da área de Marketing Digital em Londrina

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados