VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Economia

Estatais chinesas mostram interesse pelo Arco Norte

Empresas estudam pagar por análise de viabilidade econômica para projeto e até investir na construção e administração do complexo em Londrina

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

As estatais chinesas AHCOF International Development e China Machinery Industry Construction Group (Sinoconst) demonstraram interesse em arcar com o estudo de viabilidade econômica e financeira do Arco Norte em Londrina, para avaliar se vale a pena investir no negócio. O grupo, que trabalha com obras de infraestrutura e tem interesse em entrar na América Latina, pediu anteontem informações sobre o anteprojeto ao Instituto de Desenvolvimento de Londrina (Codel).
PUBLICIDADE

O Arco Norte é uma proposta de desenvolvimento regional, que tem como base um grande aeroporto internacional de cargas, centros de logística intermodal e de tecnologia. Originalmente, a proposta era usar uma área de 5,7 mil hectares ao lado da Mata dos Godoy, que foi decretada de utilidade pública em 2009 pela prefeitura. A declaração foi revogada em 2013 a pedido da Promotoria do Meio Ambiente de Londrina, pelo risco de impacto ambiental na reserva.
O prefeito Alexandre Kireeff descarta fazer uma análise de risco ambiental antes de ter a de viabilidade econômica. Outras empresas e consultorias se propuseram anteriormente a fazer o estudo financeiro do projeto, como a Agência dos Estados Unidos para o Comércio e Desenvolvimento (USTDA) e a Lufthanza Consulting, que desistiram no ano passado e fizeram com que o assunto Arco Norte esfriasse e voltasse para a gaveta.
A proposta da USTDA era embasar um plano para vender o Arco Norte a investidores nos EUA, mas, desta vez, as estatais chinesas tem interesse em fazer os estudos para assumirem o projeto. Intermediário no negócio, o advogado especialista em importe de capital estrangeiro Bruno Pedalino afirma que as estatais chinesas atuam com construção e administração de projetos, desde hidrelétricas e aeroportos até condomínios.
O interesse em assumir o projeto do Arco Norte se deu porque as empresas passaram a financiar obras fora da China e pretendem entrar na América Latina nos próximos anos. "Existem várias modalidades de operação com que eles trabalham, como construir e pagar por uma estrada, explorar o pedágio até recuperarem o investimento e os juros e depois devolver ao governo", diz Pedalino, sobre uma possível parceria público privada (PPP).
Ao município, caberia a doação do terreno. O advogado afirma que os chineses trabalham com juros de 6% ao ano e fazem operações em dólares ou reais, o que reduz o impacto em caso de flutuações cambiais. A Sinoconst, maior empreiteira estatal do país asiático, faria a construção e a AHCOF, os serviços de logística. "Devemos criar mecanismos, nós, da região de Londrina, para que as coisas aconteçam, para que as empresas cheguem, e os mecanismos eficazes dependem de se criar infraestrutura."
O presidente da Codel, Bruno Veronesi, enviaria ainda nesta semana o projeto para os chineses. Ele afirma que a administração foca, no momento, a ampliação do Aeroporto Governador José Richa, para que possa receber mais cargas, ampliar a demanda do terminal e viabilizar o Arco Norte para o futuro. "O fluxo foi 26 vezes maior no primeiro semestre deste ano do que no do ano passado e cerca de 65% da carga que tramita por Maringá é da Região Metropolitana de Londrina", diz.
Para Veronesi, a identificação de viabilidade facilitaria o interesse da iniciativa privada, mas o estudo pode custar até US$ 2,5 milhões (R$ 5,9 milhões). "Se não, vai ter de ser projeto de governo, mas, se houver demanda pronta em um arco de 150 km do aeroporto, as empresas financiam", conta. No entanto, ele lembra que é preciso que a produção regional seja de alto valor agregado, para que o transporte aéreo se pague.

Continue lendo:
- Complexo pode migrar para Porecatu


Fábio Galiotto
Reportagem Local
NOTÍCIAS RELACIONADAS
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

FMI reduz a 0,3% previsão de crescimento do Brasil

País deve ter uma das menores taxas de crescimento em 2014 entre os principais emergentes

Vendas de motocicletas caem 18,8% em setembro

No mês passado, foram comercializadas 116.639 unidades no Brasil, contra 143.570 em 2013 na mesma base de comparação

Emater e Embrapa firmam parceria para divulgar MIP

Assistência técnica ajudará produtores paranaenses a implantar Manejo Integrado de Pragas na safra 2014/15

Semana do empreendedor

Evento reúne grandes nomes do marketing digital em Londrina

Semana do Empreendedor Digital, promovida pela ACIL, é o maior evento da área de Marketing Digital em Londrina

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic