VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Economia
13/09/2017

Empresários e sindicalistas criticam política econômica de Temer

Em encontro com o presidente e ministro da Fazenda, líderes dos dois segmentos apontam baixa geração de empregos, falta de crédito e ausência de investimentos

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Brasília - Empresários e sindicalistas criticaram na manhã desta terça-feira (12) a política econômica do governo durante reunião aberta no Palácio do Planalto com a presença do presidente Michel Temer e do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Chamados ao palco pelo presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Paulo Skaf, 10 líderes empresariais e sindicais apontaram problemas na condução da economia, como baixa geração de empregos, falta de crédito, ausência de investimentos, negociação de débitos tributários e burocracia, entre outros. As reclamações foram reunidas em um documento e entregues a Temer.
PUBLICIDADE

"O BNDES precisa aplicar o máximo e temos um problema, porque há dificuldades com os agentes. Se não houver a disposição e boa vontade dos agentes, fica tudo engessado", afirmou Skaf. O presidente da Fiesp ainda acrescentou que é a favor de um "meio termo" na proposta do novo Refis, que ainda está em debate entre a equipe econômica e o Congresso. "Nós queremos um meio-termo da proposta do Refis, nem o que o governo apresentou nem o que o relator sugeriu", afirmou.

O deputado federal e presidente da Força Sindical Paulinho da Força (Solidariedade) disse que a economia começa a dar "alguns sinais de crescimento". "Mas é preciso mais. Havia um período em que era possível parcelamentos em 90 meses. É necessário retomar isso", cobrou. Paulinho afirmou também que Meirelles "deveria se encarregar da questão dos juros". "O BC tem acertado na contínua queda dos juros, mas é preciso reduzir mais".

RECESSÃO
O ministro da Fazenda, que falou após os empresários e sindicalistas, enfatizou que o Brasil enfrentou a pior recessão da história e reafirmou que, na avaliação da equipe econômica, o País estará crescendo a uma taxa de 3% no início de 2018. "Não devemos nos enganar, essa recessão tem causas profundas e as consequências que estamos enfrentando são sérias", afirmou.

Meirelles disse ainda que o crescimento econômico já se dissemina por todos os setores. "Nossa previsão para o crescimento de 2017 ainda é uma média de 0,5%, mas com viés de alta", disse.

"A sociedade já tem evidências pontuais de que a economia está crescendo. Estamos fazendo um trabalho sério, profundo, para que no futuro o país passe a crescer a taxas mais elevadas do que seria a tendência hoje, ao redor de 4%", declarou.

O ministro da Fazenda ainda destacou a importância de aprovação das reformas. "A mensagem é: vamos trabalhar, cada um cumprindo sua função, seu dever", disse Meirelles.

Em resposta às críticas, o presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, presente ao evento, disse que o banco de investimento desembolsou nos últimos seis meses, descontando projetos em infraestrutura, 60% de sua carteira de crédito para micros, pequenas e médias empresas.Ele defendeu ainda a retomada de obras paralisadas e disse que é necessário separar as grandes empresas que cometeram irregularidades das que atuaram com padrões éticos. E que as últimas não podem ser afetadas por mal-feitos.
Maelli Prado e Gustavo Uribe Folhapress
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Mudança sobre contrato em vigor gera dúvidas

Reforma trabalhista passa a valer em novembro sem evitar risco de contestação judicial em pontos específicos para empregados já contratados

Mercado financeiro

Bolsa e dólar sobem diante de inquérito contra Temer

Seu direito

DIREITOS DA PESSOA COM CÂNCER

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic